Zero – Capitulo 8



Oito.
  
Eu sou eu no espelho. Sou?
Nessa sexta-feiradeitei-me cedo. Era quase dia. A minha vida tinha mudado com- pletamente  para algo que desconhecia e eu tinha plena consciência disso. Desde pequeno que as mudanças,qualquer tipo de mudança, me perturbam e aquilo, para mim, aos vinte e nove anos, apresentou-se-me como uma execuçãoem lume brando. Foram sentimentos deste tipo que se deitaram ao meu lado nessa noite. O horror por aquilo em que me transformara e a certezade muitas manhãs a acordar no inferno aniquilaram as poucas forçasque recuperei no sofá. Foi um delíriopróximo da vertigem que me tomou pelo braço antes de se enrolarà volta do pescoçoe cravar-me as garras na espinha.As horas de desespero dessa tarde e o tempo que levei a adormecer imerso nas mais negras visões são algo que não tentarei sequer explicar-vos. Estaríamos a perder o nosso tempo com uma insípida versão dactilografada. Como iriaaquilo acabar?
No sábado de manhã the day after, portanto acordei com o cabelo emaranhado em suor e particularmente inquieto. Não sabiao que era. Estava tomado por uma estranha inquietação à procurade encaixar alguresno cérebro assim que deixasse de estar mal-acordado. As más notíciasvoam e o cérebro estava ali tão perto.Em dez segundos, no momento em que levei as mãos à cara, acordei para o pesadelo que me punha a alma a leilão. E eu não dava nada por ela. A pata cortante e hipnóticado delírio começavaa trepar pelo pescoçoe em breve quereria enterrar-se no meu cérebro. Era impossível fugir-lhe. Todas as hipótesesde tudo não passar de um mau sonho, como  tive  às dezenasem miúdo, ficaram-me entaladas entreos dedos e, então, voltei a temer pela minha sanidade mental.
Eu sou um tipo sensato.Tenho de ser: formei-meem ciências físicase doutorei-me em filosofiasobre o “Esse est percipi”de Berkeley. Para verem como sou sensato, era minhaintenção escrever sobre os dados imediatos da consciência de Bergson, mas uma amnésiatemporária levou-me a iniciar a pesquisa sobreo bispo irlandês. Até por acidente sou  sensato. Eu tinha de tomar uma decisão e reagir ao incontornável, mesmo que a vertigem começasse a tomar conta de mim.

  

  
Nove.
Erving Goffman tinha a sua razão
Pontualmente, comecei a observar o mais rigorosae friamente possíveltudo o que dizia respeito ao meu estado. Físico,uma vez que fazia parte dos propostos da minha inquirição o total alheamento de qualquer tipo de psicometria. Ainda hoje tenho a certeza de que essa via apenas me iria afastar da serenidade que eu necessitava então mais do que nunca. No fundo, eu estava bem. Quer dizer, antes estava bem. Ter conseguido o que consegui com o artigo, para mim, dizia-me tudo a esse respeito. Tinha conseguido escrever o que o cérebro me ditara, o que queria dizer que o meu cérebroestava lá. E em forma. Para que assimcontinuasse, deveria, pois,limitar-me à observação física.
Outra decisão importante havia também saído da forma. Tinha posto de parte a hipótese de recorrer a alguém. Mesmo aos meus melhores amigos, a quem sempre considerara o último refúgio em tempos de agonia. Era como se uma mistura de vergonhae orgulho me impedissem de me revelar ao mundo naquele estado; como se não os pudesse expor àqueleconstrangimento; como se os devesseproteger daquela mácula. É curioso, eu podia ter acabado de assassinar uma criança no berço e, no entanto, não teria problemas em ir ali abaixo comprarbatatas ou Luckies;cumprimentaria as pessoas com um sorriso,falaria sobre o tempo ou sobre os resultados dos jogos do fim-de-semana; e à saída, provavelmente ainda com um pouco de sangue seco por debaixo das unhas, desejaria educadamente um bom dia a toda a gente. E todos me responderiam com um delicado bom dia e ficariam a gabar o meu Pierre Cardin em e viscose. Mas não então. Não assim. O estigmafísico vê-se demasiado. Vê-se na distânciae eu não podia deixar que aquilo me marcassede uma vez para sempre.
Não sem antes lutar por mim. Durante a semana seguinte,observar-me-ia ao espelho quatro vezes ao dia depois das refeições,mantendo um diário com todos os pormenores relevantes. Depois, e então, se ao fim desses sete dias não sentisse qualquer motivo de alívio, procuraria Pol, que é médico e meu amigo por ordem invera deimportância. Procurando-o, poria tudo nas suas mãos, o diário, a minha cabeça, a minha salvação, tudo. Tomadasestas decisões, seguiu-se o primeiro exame.



Dez.
O exame
Nada, para mim, é mais fantástico e inesperado do que a realidade.
F. Dostoievsky
O primeiro exame.No dia seguinte. Domingo, portanto. Estávamos em Abril e chovia fora. Abri a janela. não chovia alguns meses. Eram nove da manhã. O ar cheirava a terra molhada.  Ninguém nas ruas. As árvores em frente escorriamum verde escuro e o cheiroda terra atravessava a rua até às minhasnarinas. Por um minuto voltei a jogar à bola, encharcado até aos ossos, com os joelhos esfoladose as luvas da minha mãe rasgadas na palma das mãos. Fui sempre o número 1. Como a Camus, dava-megozo voar em direcção à bola. Viver de frente para este parque abre-me de vez em quando essa parte da memóriae por isso escolhi esta casa. Para poder voltar a ser criança de vez em quando. Entretanto, o disco do Popiggy, como lhe chamamos entre os amigos, rodava no prato Technics ligado à Sony. Voltei para a sala com os olhoshúmidos e o “Isolation” no ar. A varandaestava alagada e fui deixando atrás de mim um rasto lacrimante com terra à mistura. As minhas orquídeas rejubilavam com aquele banho de vida. Baixei o volume e liguei a televisão que passavaresumos de futebolda Segunda Divisão turca. era mais do que a hora: o primeiro exame.
Para não tornar o procedimento mais doloroso do que iria ser, e dada a minha sensibilidade quanto ao meu aspecto físico, aproveiteipara me familiarizar com aquilo àmedida que me barbeava. Era de mim que se tratava agora, pensei enquanto aquecia a toalha de turco. Sentei-me na tampa da sanita, deitei-me para trás e cobri a cara até aos olhos. Um minuto depois sentia que os pêlos me acariciavam os dedosà medida que passava a mão pelo queixo. Concentrei-me neles ao máximo e apenas olhava de relance para a parte superior, o que conseguia a custo, semicerrando os olhos. Peguei no creme Basic e espalhei-oprimeiro com os dedos, depois usando o pincel e água quente.Apoiei-me com ambas as mãos no lavatórioe aguardei um pouco, com os olhos em baixo.
Por momentos, distrai-me com os ténis brancos que Isabel me deu uns anos, ascalças de linho amareladas e, no espelho, a camisola azul-escuro por cima da t-shirtdo Benfica. Estava  frio.  Iniciei a delicada arte do escanhoado. Eis, então, a formada coisa. Sem contemplações. Logo acima da linha do nariz, que se mantinha praticamente intacto, a pele tinha-sereproduzido em grande quantidade e ora parecia calejada em pequenos tumores,ora caía em pregas sobrepostas. No meio, as lentes negras, perfeitamente encaixadas. Depois, virando-me de lado, tinha, até às orelhas, dois canais esculpidos com nervuras grossas à superfície, veias que latejavam em golfadas de sanguee também bordejados de pregas, estas, ligeiramente maiores; como eram em grande quantidade e estavam sobrepostas, quando a minha cabeça semovia abriam-se em forma de leque. A cor cinzenta era uniforme e espelhava bem o meu ânimo. Mas eu começava a habituar-me àquilo.O que me incomodava era a ausência de sobrancelhas. Quantos animais se podem gabar de possuir um bom par de sobrancelhas? Nunca tinha pensadonisso, mas o grande segredoda humanidade é que um par de sobrancelhas nos um aspecto mais humano; mesmo que nos faltetudo o resto.
Surpreendidos, meus senhores?Incrédulos? Não fiquem, a realidadedos tempos modernos supera a ficção.Eis o aspecto da situação.Eu começava a habituar-me àquilo, o que abria perspectivas mais animadoras para as minhas capacidades. Ao fim de vinte minutos, escanhoado e tendo atingidoos primeiros objectivos, reparei que, olhando com atenção,as lentes ultrapassavam a barreira da pele e, por detrás desta, tinha uma visão nítida dos dentes molares. Baixei os olhos vou continuar a chamá-los assim até ao peito e puxei a roupa para cima. estava o coração, um músculo vermelho vivo em movimentos sincopados, manchadonum matiz negro. Por essa altura nada me surpreendia. O sangue fluía lentamente em golfadas que se repetiam no meu espíritovital. Aquele negro devia ser dos meus pecados.“Eu não tenho sido bom.”, pensei.Mas também  nãotenho sido mau, não como a maioria. Nunca chateei ninguém. Eu não sou mau. Apenas… brando. A maior parte do tempo acho-me um génio. O resto do tempo, uma merda. Posso garantir-vos, se o meu coração estava assim,o dos outros devia estar muitopior. Como os meus pulmões depois de semanas consecutivas de trabalho e Luckies sem filtro. Deixei cair as camisolas.
Voltei a olhar-me de frente, olhosnos olhos, e estendi o braço para o armário. Agarrei a tesoura. Por momentos,meu Deus. Que grande pecado. Seria a mutilação o caminho redentor? Para Ele foi, por todos nós. Dizem. Talvez por mim também. E Judas?Não o irmão de Tiago. O outro. Que missão ingrata. Agarreia tesoura, alterei a rota da lâmina, cortei o plástico de uma das amostras CK que uma amiga costumava mandar-me e espalhei-apela cara, queixoe pescoço. Ardeu-me.  Tinha de lho dizer. Não, o sofrimento puro não é redenção. É o caminhofácil. E quem ganha com isso o que quer que seja? Não é que eu encare a coisa unicamente do ponto de vista da utilidade, mas o princípio, encaradoassim, acaba por se perder entre as vergastadas e os gemidos.Dedicar os fins de tarde a um gato vadio, pena suspensa. Dormir com urtigas na cama, estadia no hospital. Abençoados os pobres de espírito. Não os estúpidos. Swedemborg disse-o perfeitamente a propósitode um pobre homem que ganhouo céu sem estar preparado para ele. Vão e vejam. Leiam como o desgraçado perdeu a vida na privação e na prece mecânica.
Desliguei as luzes pensando como humano que quase não era que as coisas nem sempre são tão más como parecem,“Como irá isto acabar?”
 (continua na próxima semana)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s