O EQUIVOCO

O EQUÍVOCO Parte I – A taberna O pau nas mãos do desconhecido era uma arma letal. Tinha que conseguir sair daquela taberna. Para isso precisava de passar pelo regedor, os dois cabos e pelo capataz. Não podia colocar-se outra vez nas mãos da justiça, não nas mãos daquela justiça. Não queria voltar a viver … Continue reading O EQUIVOCO

A RAIA

A RAIA O padrinho tinha mandado palavra: precisava de ter dois dedos de conversa. Gostava muito do padrinho e estava com ele muitas vezes, embora isso acontecesse com menos frequência, desde que este ficara entravado. Abraçaram-se com amizade. O padrinho era um proprietário agrícola, descendente de um morgado. Era uma pessoa nobre e justa, que … Continue reading A RAIA

A FIDALGA DA TORRE

A FIDALGA DA TORRE Decorria o ano de 1358, quando a Fidalga veio habitar a Torre. D. Alda Vasques chegou no pico da primavera com as cerejeiras engalanadas a dar-lhe as boas vindas. A descida para a Torre era íngreme e o empedrado romano estava escorregadio, obrigando os cavalos e as mulas a uma marcha … Continue reading A FIDALGA DA TORRE

O DECRETO REAL

Pseudónimo: Fernando Balão O DECRETO REAL Em Lisboa as mudanças sucediam-se. O Marquês de Pombal tinha resignado ao cargo no que foi substituído pelo Visconde de Vila Nova de Cerveira, ao serviço de uma rainha louca que sucedia a um rei falecido. Neste contexto de turbulência, Vila Real era um oásis de estabilidade. A coexistência de vários grupos profissionais com uma … Continue reading O DECRETO REAL