A DANÇA DAS CADEIRAS


 A DANÇA DAS CADEIRAS








Virou as costas o António Costa
                                      A um Seguro, cada vez mais inseguro
Enquanto o povo, abstendo-se, aposta
Quando cai o segundo de maduro
Este bem podia ser o mote de um conjunto de quadras populares, destinadas a fazer humor com o momento político actual, o que seria adequado e aceitável. Apesar disso, acalmem-se as almas mais preocupadas com o status quo,  pois vou antes utilizar este mote para a reflexão de um cidadão, preocupado com a mensagem que os resultados eleitorais, do último domingo, nos podem estar a transmitir.
Têm sido muitas as leituras feitas pelos comentadores, existindo neste momento interpretações para todos os gostos e cores, sejam estas vermelhas, rosas, laranjas ou azuis (agora também existem umas verdes e brancas, por momentos até parecia a disputa da liga Sagres!). Ignorando um pouco os comentadores, não por falta de respeito, mas porque já estou também um pouco cansado de os ouvir, saí à rua e falei com aqueles que, como eu, lutam por conseguir, no dia a dia, o sustento da família, sem ver uma luz ao fundo do túnel, neste país que tarda em encontrar o caminho da prosperidade.
Devo confessar-vos, caros leitores, que fiquei surpreendido com tanta sabedoria popular!
Na fila dos desempregados, onde qualquer português, independentemente das suas qualificações, pode ir parar um destes dias, um “jovem” de cinquenta e dois anos, com licenciatura e pós graduação, leu assim o resultado obtido pelo governo:
Dizer-nos o pouco que faziam não ousaram
O merecido castigo tiveram então!
Aqueles que tanto nos espoliaram
Trocando o deficit pelo nosso pão!
Ao atravessar a cidade, na tal busca da iletrada sapiência popular, passei por um parque de estacionamento, em frente a um supermercado, onde o arrumador de carros falou assim da vitória comunista:
Contra a Europa? Claro, mas isso já sabiam!
Faça chuva ou faça sol, esses vão sempre votar
Aqueles que lhe dão o voto muito sofreriam
Se vivêssemos a tragédia de os ter a governar

Mais adiante, na fila da segurança social, onde várias pessoas já reclamavam por ter sido cancelada a entrega das senhas de atendimento às dez horas da manhã, dizia uma senhora, a propósito do resultado do partido Socialista.
Não se sabe bem se perderam ou ganharam
Com o líder indeciso, em cima do muro
As falhas do governo não aproveitaram
D’Ele se questiona: Estará seguro?

Estando na loja do cidadão, onde um grupo muito heterogéneo tratava do passaporte para emigrar, um jovem comentou a derrota do bloco de esquerda:
Bloqueia o bloco, tudo bloqueando
Perderam o norte, faz tempo que é assim
Pouco a pouco vão-se desvanecendo.
Trata-se do  princípio do fim!

Já no regresso a casa, na fila do autocarro superlotado, cujas portas não conseguiam abrir, nem para deixar sair quem precisava, dizia um homem de meia idade, a propósito do MPT.
Fugindo dos maus políticos que temos
Foram votando, assim a esmo
Imaginamos aquilo que não vemos
Infelizmente elegemos mais do mesmo!

Vendo tanto cepticismo no comentário deste senhor, cujas feições transmitiam a tristeza de quem enfrenta as agruras do dia a dia, sem antecipar melhorias e cujos ombros dobrados, pareciam carregar o peso do mundo, decidi  tentar fazer com que ele olhasse para a vida com uma perspectiva mais positiva e argumentei.
– Não acha que o MPT faz a rotura com a política dos partidos existentes e que pode ser uma lufada de ar fresco?
O senhor olhou-me, sem responder, com a expressão de quem estava a ouvir falar uma língua diferente e foi uma senhora, já com alguma idade, que respondeu com o seguinte provérbio:
“Com papas e bolos se enganam os tolos”

Sentado a meu lado, no autocarro, vinha um alentejano, já de idade provecta que, quando questionado sobre as mudanças, disse de forma pausada e com um sotaque carregado.
– Os resultados eleitorais não mudaram nada, mas ainda que tivesse mudado o resultado, não mudavam as políticas. Sabe como se diz na minha terra, “vira o disco e toca o mesmo”. Os que estão no governo, é o que se vê! Quanto aos socialistas, não me convenceram e o resto é paisagem!
– Não achou o discurso socialista apelativo? – Perguntei.
– A propósito do discurso socialista eu apenas tenho a dizer o seguinte: A música é bonita, falta saber se o homem sabe dançar.

Perante este último comentário fiquei a pensar para com os meus botões. “Provavelmente o líder socialista vai demonstrar, mais depressa do que esperamos, se sabe ou não dançar, nem que seja a dança das cadeiras!”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s