O BEIRÃO

O BEIRÃO
Estávamos em Novembro de 1975. Afonso Dias, um proprietário agrícola, estava sentado, dobrado sobre si mesmo, com o ouvido encostado à telefonia, tentando escutar a peça de reportagem da BBC que chegava até si, por entre os ruídos estáticos. A preocupação sobre a evolução dos destinos da política nacional havia muito que deixara de ser exclusivamente portuguesa, mas, de acordo com a BBC, o risco de Portugal se tornar numa ditadura de caráter marxista era uma preocupação real, comungada por americanos e europeus, ao ponto de, em conjunto, definirem uma estratégia para contrariar tal situação. A trama desenvolvia-se na sombra!

Afonso Dias recostou-se para trás e, tendo como fundo os ruídos que vinham da cozinha, onde a esposa lavava a loiça do jantar e os cinco filhos brincavam à volta da lareira, ponderou sobre a decisão que estava prestes a tomar. Apesar de se considerar um homem de direita sempre gostara de estar bem informado, não se contentando com as notícias com que o “sistema” alimentava o povo, por isso, já no tempo de Salazar, ouvia a BBC, embora tal fosse proibido à época. Desde a viragem à esquerda, iniciada com o golpe de 11 de março, que a clivagem política se vinha agravando à medida que aumentava o risco de uma ditadura de esquerda. O PS tinha-se aliado ao PSD e PPM para defender a democracia, ao mesmo tempo que a extrema-direita falava em pegar em armas e a extrema-esquerda dominava as forças armadas. O país vivia um drama! As pancadas na porta sobressaltaram-no.

Afonso foi ao encontro dos seus interlocutores, homens que secretamente pertenciam ao ELP (Exército de Libertação de Portugal) e que procuravam o seu apoio. Aceitou a boleia até à casa paroquial, que ficava a dois quilómetros, tendo sido massacrado, durante o percurso, com os argumentos dos visitantes.

A reunião já tinha começado e o padre João estava com dificuldades em controlar o seu curso. Estava em causa a organização da procissão do Senhor das Chagas e os membros da comissão de festas apenas estavam preocupados com as obras que a junta tinha de fazer, para que a procissão pudesse dar a volta à aldeia. No entanto, a presença do presidente da junta, um homem de extrema-esquerda que vestia a capa de socialista, de Afonso e de Pedro Castro, um jornalista da Voz das Beiras, tinham dado à reunião uma conotação política.
– Sr. Padre, o senhor tem de parar de aproveitar as homilias para defender o voto nos partidos da direita. Eles são uns bandidos fascistas, veja como as sedes do partido socialista têm sido vandalizadas, no norte de Portugal. – Disse o presidente da Junta.
– A Igreja não defende partidos mas condena a ideologia marxista porque ela tem como objetivo a destruição do cristianismo. – Argumentou o padre.
– A política marxista está a dar cabo do país, com as nacionalizações da banca, da indústria, das herdades agrícolas, etc. Vão levá-lo à falência. – Gritou o jornalista.
– O que é que isso tem a ver com a procissão? Nós só queremos que a Junta faça as obras para os andores poderem dar a volta à aldeia. – Gritava Xico, o líder da comissão de festas, secundado pelos restantes membros, para quem o verdadeiro drama era a procissão não passar por toda a aldeia.


Afonso Dias não queria entrar naquela discussão pois a sua mente estava ocupada com outras coisas. «Pobres coitados nem imaginam a “Procissão” em que o país está metido! O andor que lhes vai calhar não vai ser nada leve… – Disse entre dentes». Ele estava ali na qualidade de membro da Comissão Fabriqueira, que apenas cuidava das obras da igreja, por isso não era obrigado a opinar. Olhou para o relógio. Eram vinte e uma horas e a sua amante já estava à sua espera. «Esta maldita reunião que nunca mais acaba. Pensou». Durante alguns instantes prestou atenção à troca de argumentos, depois viajou «O que devo fazer quanto às armas do ELP?».

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s