POESIA DO NADA

POESIA DO NADA
A cadeira vazia.
A decisão de se sentar.
A mesa que rangia.
No centro da sala de estar…
A junção dos elementos,
Que torna eterno os momentos!
O papel sobre a mesa, inconstante!
Cheio de nada,
Branco, desafiante!
A caneta a seu lado, parada.
Uma poesia por escrever,
A possibilidade de alguém a ler!
Um poeta com escusas.
Uma mão hesitante!
A espera pelas musas.
Promessas de escrita sibilante.
Uma folha amarrotada…
Uma poesia do nada!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s