O PAI VEIO NO NATAL

O PAI VEIO NO NATAL
Filipe tinha regressado a Portugal fazia três meses. Todos os dias ele prometia a si próprio que no dia seguinte contactaria a filha e a neta. Todos os dias ele quebrava a promessa. Não tinha coragem. Vinha-lhe à memória tudo o que a mulher o fizera passar, com a ajuda do irmão que o odiava. Um ódio estúpido que tinha nascido no dia em que não o apoiou no desenvolvimento de um negócio que entendia ser ruinoso. Fora esse mesmo negócio que tinha levado os dois irmãos à falência, logo após o seu divórcio. Filipe tinha quarenta anos quando se apaixonou por uma mulher dez anos mais nova. A única filha do casal tinha doze anos e o divórcio foi desastroso. Filipe nunca se tinha perdoado por se ter afastado da filha, mas a mulher não lhe deu outra opção. Juntamente com o irmão tinham fabricado uma agressão em que Lurdes era a vítima e ele o agressor. Ele ficou proibido de se aproximar da família. Não aguentou viver perto da filha sem a poder ver e emigrou. Foi viver para o Brasil onde construiu um império, ancorado no imobiliário. Os problemas de segurança no Brasil tinham-no trazido de volta. A filha tinha quarenta e dois anos e a neta tinha vinte e dois e estava a concluir o mestrado. Apesar da distância, todos os meses, até à mulher morrer, ele fazia a transferência. O valor transferido foi sempre superior ao acordado, sobretudo a partir da data em que ela perdeu tudo no negócio do irmão, que na sequência pôs fim à vida.
No leito da morte Lurdes contou a verdade à filha. Marta pensou no pai com arrependimento. Ela tinha tido um papel ativo no divórcio. Fora ela que testemunhara que tinha visto, um homem que sem parecia com o pai, fugir depois de agredir a mãe. Agora percebia porquê: o tio tinha vestido as roupas do pai! Foram várias as vezes em que pegou no telefone para lhe ligar mas nunca teve coragem para o fazer. Ela tinha sido um instrumento nas mãos da mãe e agora que tinha uma filha imaginava como o pai se devia ter sentido ao ser obrigado a afastar-se. Durante vários dias chorou de desgosto e arrependimento mas nada fez para clarificar a situação. A relação tinha sido quebrada há muito tempo. Era tarde demais para restaurar os laços. Patrícia, a filha, perguntava muitas vezes pelo avô mas nunca lhe tinham dito quem ele era. Apenas depois da morte da avó ficou a saber a verdade. Isso tinha acontecido dois anos antes de ter sido noticiado o regresso de Filipe Costa Moura, a Portugal. Patrícia lia avidamente tudo o que se escrevia sobre o avô e sobre o tio Pedro. Aparentemente o tio era um génio. Apesar da insistência da mãe para que ela deixasse as coisas como estavam ela tinha uma grande vontade de conhecer, quer um quer outro. Pedro sabia da existência da meia-irmã e da sobrinha mas isso não lhe dizia nada.
Pedro, na qualidade de professor da Universidade Nova, de Lisboa, tinha sido convidado para júri de uma tese de mestrado de uma aluna da Universidade Católica. A tese era fabulosa e como incidia sobre um assunto em que era especialista, leu-a e releu-a várias vezes. Estava encantado com o facto de ser ele o arguente. Ela entrou na sala e parou de imediato. Os olhos fixaram-se em Pedro e abriram-se desmesuradamente. Ele apercebeu-se da transformação mas não a entendeu e não esboçou qualquer reação. No entanto pensou: «Conheço este rosto de algum lado». Depois da hesitação inicial Patrícia avançou e fez a apresentação. Foi uma prova excecional!
«Espero que a Patrícia publique a sua tese e eu terei muito gosto em ajudar no processo.» Disse Pedro.
Terminada a prova Patrícia pediu para falar com Pedro durante cinco minutos. A empatia entre os dois era grande, mas foi com surpresa que ele absorveu o significado do que ela acabava de lhe transmitir. Agora ele percebia a razão do rosto lhe ser familiar. O pai tinha uma fotografia dela no escritório. Não resistiu. Abraçou-a e foi abraçado. As pernas de Patrícia tremiam tal era o nervosismo, a excitação e a emoção.
«Tio!» exclamou.
«Se não te importas preferia que me chamasses Pedro. Mudando de assunto: Tens que conhecer o teu avô.»
Depois de algumas horas de partilha do passado e de muita emoção, com algumas lágrimas à mistura, combinaram encontrar-se nesse mesmo dia. Pedro pediu ao pai para ir ao escritório, ao fim do dia, dizendo que tinha um assunto sobre o qual precisava de lhe falar. Patrícia entrou sem fazer ideia que o avô já lá estava. Estacou. Ao ver que ninguém avançava Filipe levantou a cabeça. As mãos começaram a tremer e não conseguiu levantar-se da cadeira.
«Avô. Eu sou a Patrícia.»
«Sei muito bem quem tu és.» Disse virando a fotografia dela, que estava sobre a secretária.
A emoção tinha tomado conta deles. Sem pronunciar mais nenhuma palavra abraçaram-se. Sabiam tanto da vida um do outro que era como se sempre se tivessem conhecido. Durante vários minutos deixaram a emoção transformar-se em lágrimas. Sentados, em frente um do outro, ele agarrava as mãos da neta e acariciava-as.
«És ainda mais bonita que a tua avó.»
Patrícia sorriu sem conseguir pronunciar uma palavra.
«Desculpa não ter sido o avô que tu merecias ter.» Disse ele.
«Quem tem de pedir desculpas sou eu pelo que a minha mãe e a minha avó te fizeram. Antes de morrer a avó contou a verdade. O avô nunca agrediu a avó. Foi tudo um plano do irmão dela. Quando ela se arrependeu era tarde demais.»
Filipe ficou também a conhecer os detalhes sórdidos da história. Isso já não era importante. Estava no passado e devia ficar lá. Aquilo que era importante era encontrar a filha. Ele já tinha percebido que a neta era tão brilhante quanto o filho. Era também uma mulher bonita, mas havia qualquer coisa que destoava na imagem dela. Foi apenas quando ela partiu que ele percebeu o que era. As roupas velhas e coçadas que ela usava. A família dela deveria estar a passar dificuldades. Depois de se informar melhor percebeu que o pai tinha ficado desempregado fazia um ano e que, apesar disso, mantiveram a filha na Católica. Isso implicava outros sacrifícios. Será que havia segundas intenções na aproximação de Patrícia? Pedro descansou o pai.
«Não acredito. No entanto, também não vejo mal nenhum em ela tentar aproveitar a vantagem de ser da família.» Disse Pedro.
Filipe ficou à espera do contacto de Patrícia. Quando recebeu a notícia de que a filha não queria encontrar-se com ele ficou baralhado. No princípio pensou que ela ainda estava envenenada pela mãe, mas quando se lembrou da história que Patrícia contou ficou com a certeza que o motivo era outro. Depois de vários encontros com a neta e com o filho, combinaram entre os três uma estratégia de aproximação.
Patrícia passava o natal com os pais pois não tinham outra família. Desde que perdera os avós paternos e a avó materna que a ceia para além de simples era triste. A mãe tornava-se reservada e quando falava era para recordar os natais de quando era criança, com os pais. Como ela era feliz! Era quase sempre com a lágrima no canto do olho que se recordava do Pai. Emocionava-se. Por dentro sofria por ter sido a causa do seu afastamento. A mãe sempre fora o seu ídolo. Por isso, quando soube a verdade ficou perdida! O marido era o seu pilar, mas quando ficou desempregado as coisas complicaram-se. Investiram tudo na filha e ela retribuía-lhes, com desempenho e com carinho. Existia muito amor entre eles mas não eram uma família feliz.
Tinham discutido muitas vezes se filha e pai se deviam reconciliar. A posição de Marta era inflexível.
«Eu não tenho coragem de enfrentar o meu pai sabendo que foi o meu testemunho que o afastou de mim. Para além disso ele vai pensar que o estou a fazer por causa do dinheiro.»
Isso colocou um ponto final na discussão. O marido era dez anos mais velho e apesar da grande experiencia e excelentes qualificações, não tinha conseguido voltar ao mercado de trabalho. Viviam portanto um situação complicada que os afetava a todos em termos económicos em psicológicos, fundamentalmente a ele.
Enquanto os pais preparavam a ceia de natal Patrícia arranjou a mesa. O centro era muito bonito. Ela tinha muito jeito para os trabalhos manuais, mas nesse ano esmerou-se. O jantar seria às oito por isso ainda tinham algum tempo. A campainha da porta tocou. Patrícia puxou o pai pelo braço e disse:
«Mãe vê quem é, que eu preciso que o pai me ajude numa coisa?»
O pai olhou para ela sem perceber. O dedo nos lábios de Patrícia disse tudo. Foi com a ansiedade estampada no rosto que se colocaram atrás de Marta sem que ela o percebesse, enquanto esta abria a porta.
«Olá filha.»
Marta ficou sem reação. O pai estava na ombreira da porta. O rosto tinha ganho algumas rugas, os cabelos eram grisalhos, mas o olhar mantinha a energia de outrora. Aquela energia, aquela força que tanta falta lhe tinha feito. Ela era a culpada disso. Sem forças para aguentar de pé a emoção caiu de joelhos e abraçou as pernas do pai.
«Desculpa pai. Desculpa…» Disse com uma voz embargada e chorando copiosamente.
Nenhum dos presentes foi imune aquela cena e todos se emocionaram. Filipe agarrou a filha, gentilmente, pelos braços e, com todo o cuidado do mundo, levantou-a e abraçou-a. Não eram necessárias palavras os gestos falavam por si. Nem sequer eram possíveis tal era a forma copiosa como os dois choravam. Patrícia foi a primeira a reagir e levou os dois para a sala. O jantar não podia esperar pelo que foi com o pai e o tio tratar do assunto. Quando as palavras conseguiram sobrepor-se à emoção eles desabafaram. Confessaram as suas culpas, a sua saudade e finalmente o seu amor.
O tradicional jantar de bacalhau com couves e ovo, foi o melhor jantar de natal que qualquer um deles teve. A família estava toda reunida e em paz. A família, finalmente, transbordava amor e felicidade.  Era natal, mas não era um natal qualquer, era o Natal em que o pai veio à ceia de natal.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s