A JORNALISTA | PARTE I | CAPÍTULO 3



A JORNALISTA | PARTE I | CAPITULO 3 – A Advogada

Roger tomou o pequeno almoço sem pressas mas de forma a ter tempo para fazer a higiene diária. A mala com a roupa estava num canto. Alguém a tinha ido buscar ao seu hotel e feito o respetivo chek-out. Estava tudo lá. Usou o kit de higiene e mudou de roupa. Depois disso, apesar das circunstâncias, sentiu-se reconfortado. Olhou-se ao espelho e concluiu que estava apresentável. Sentou-se na cama e aguardou. O som da  fechadura funcionou como um alarme. Aquele pensamento era um paradoxo, mas sentia que enquanto estivesse ali fechado estava de certa forma imune. A cela protegia-o de ser interrogado e formalmente acusado da morte de Karen. A porta abriu-se: a barreira que o separava do mundo, que aparentemente o condenava, tinha sido removida.
«Vamos!» Disse o guarda, de forma seca.
Foi conduzido a uma pequena sala completamente vazia. Os equipamentos de gravação áudio e vídeo impunham a sua presença de forma ostensiva. Eram um farol.  Esperou. Ao fim de algum tempo começou a ficar inquieto. A ansiedade que normalmente antecede os momentos decisivos na vida tomou conta dele. Levantou-se e caminhou pela sala.
O som da porta a ser aberta apanhou-o desprevenido. Virou-se de rompante e deu de caras com dois desconhecidos.
«Bom dia Sr. Roger.» Disseram em simultâneo.
«Bom dia.»
«Eu sou o Joe e trabalho na embaixada Australiana.» Disse o homem, mostrando a sua identificação.
Roger conferiu os documento sem dizer nada. Devolveu-os e aguardou.
«Tal como nos solicitou, no contacto de ontem, providenciamos-lhe um advogado. A Dra. Anabela Correia costuma representar os cidadãos australianos, que se vêm a braços com a lei, em Portugal. A nossa recomendação é que ela o represente, mas a opção é sua.»
Roger ponderou a situação. O melhor era aceitar a recomendação da embaixada pois não conhecia o meio. Com a ajuda do Joe acordou o valor dos honorários a pagar à advogada. O homem da embaixada partiu e ele ficou a sós com ela.
Depois de ouvir a versão dos factos, contada por Roger, a advogada ficou em silêncio.
«Como já deve ter percebido o Roger está metido numa grande embrulhada.»
«Eu sei, mas também sei que estou inocente.»
«Isso é uma afirmação inconsistente. Como explica as memórias que tem, de alguém a espetar as facas na Karen.»
«Existem muitas coisas que não consigo explicar. No entanto, tenho a certeza que não faria mal à Karen.»
«A única saída que temos de demonstrar a sua inocência, é provar que o crime foi cometido por outra pessoa. Recomendo que contrate um investigador. Posso sugerir um nome se estiver interessado.»
A advogada não perguntou e Roger não entendeu que era relevante mencionar o seu passado. Tudo tinha acontecido há vários anos atrás e num local longínquo. Ninguém iria descobrir!
«Preciso que o Roger me indique o nome de todas as pessoas que trabalhavam ou frequentavam o palacete.»
«Não sei. Eu apenas conhecia a Governanta. Os eventos embora fossem produzidos no palacete eram sempre feitos com recurso a pessoal contratado para o efeito. A governanta, em conjunto com a empresa de eventos, era quem o fazia, seguindo as minhas especificações.»
«Como foi contactado para produzir o primeiro evento?»
«Foi a agência que recebeu a incumbência de o produzir que me contactou. O meu nome terá sido imposto pelos clientes.»
«Chegou a conhecer os clientes?»
«No fim do primeiro evento alguns deles vieram cumprimentar-me, elogiando o meu trabalho. O único nome que fixei foi o do Brasileiro. Chama-se Jair de Lins.»
Depois de várias horas de perguntas e respostas a advogada partiu informando-o que os interrogatórios deveriam começar dentro de uma semana. Ela iria estar presente durante os mesmos e nessa altura esperava que os esforços do detetive particular tivessem dado frutos.
Roger foi novamente conduzido à sua cela. O semblante desanimado transmitia aquilo que lhe ia na alma. As provas estavam todas contra ele. A sua única defesa era a convicção de que não seria capaz de fazer mal a Karen, mas mesmo essa era minada pela malditas memórias daquelas duas horas fatídicas. Sentou-se na cama e enterrou a cabeça entre as mãos. Estava sozinho. Não possuía família pois os pais já haviam falecido e descendia de várias gerações de filhos únicos. Os amigos de infância tinham-lhe virado as costas, na sequência do escândalo e, nos últimos anos, não tinha feito muitos. Estava mais preocupado em construir uma carreia e o seu caráter era propício a pisar alguns calos, quando isso lhe convinha. Apenas lhe restava confiar na sua advogada.
O pensamento voou para a Austrália. Reviveu alguns dos momentos passados, uns mais agradáveis que os outros. Tinha saudades dos espaços abertos. Tinha saudades do mar ou das vastas planícies. Recordou a viagem pelo interior com a amiga que trabalhava na Network Ten, canal de televisão que emitia o concurso de Master Chefe, na Austrália. Foi uma viagem tórrida em todos os aspectos. Os dias quentes e secos da época de estio não eram mais amenos entre portas. A amiga tinha uma imaginação fértil e ele não tinha especial orgulho de algumas das coisas que tinha feito com ela, mas tinha de confessar que em todas experimentou intenso prazer. Tinha sido uma relação intensa e atribulada, que acabou com a mesma rapidez com que começou: Ela era insaciável e quando ele se cansou de lhe satisfazer os caprichos sexuais, simplesmente afastou-se. Não houve brigas nem amuos, mas também não houve despedidas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s