A JORNALISTA | PARTE VI | CAPÍTULO 3

A JORNALISTA | PARTE VI | CAPÍTULO 3 – A busca

Mónica Fonseca estava resplandecente essa manhã. O facto de se ter esmerado na apresentação era uma mensagem subliminar, mas ele não podia esquecer o facto de que eles estavam de lados opostos. Talvez a ideia de trabalhar com ela não tivesse sido a melhor. Pelo menos era o que ditava a experiência com a Anabela. Afastou a imagem do pensamento e concentrou-se no trânsito. «Esta rua está a ficar estranha. Agora temos casais a namorar dentro dos carros estacionados?» O pensamento trespassou-o à velocidade de um relâmpago. A esse seguiram-se vários outros, relacionados com a imagem que ficara gravada no cérebro. Estacionou no seu lugar de garagem e nessa altura tudo ficou claro. Aquilo que chamara à sua atenção foi algo que não realizou de imediato. A mulher que estava no carro, embora estivesse a abraçar o suposto companheiro, tinha o olhar fixado nele: estavam a vigiar os acessos à casa dele. Subiu até ao hall de entrada e foi a pé até ao café da esquina. A entrada principal do prédio também estava a ser vigiada. A coisa tinha escalado: para além de o seguirem, também vigiavam o prédio na sua ausência. Os próximos dias adivinhavam-se muito divertidos.
Perestrelo tinha muito trabalho para fazer e rapidamente esqueceu os homens que o vigiavam na sombra. Reviu os documentos produzidos por ele e Anabela. A informação de que dispunha sobre o caso, depois de somados os relatórios dele e os de Anabela, traduzia-se em muito pouco. Reviu em seguida a informação recebida. Existia sempre a possibilidade de terem deixado escapar alguma pista. Os vários vídeos recebidos, para além de mostrarem uma faceta de Anne que a comprometia, mostravam duas mulheres, num momento de intimidade, sendo que Mentalmente tomou nota que mais tarde teria de explorar a pista da indonésia, nessa altura veria também se podia obter alguma informação nos locais de retiro de Anne, mas de momento era mais importante explorar o passado de Karen. Voltou a rever todo o material recebido, desta vez em busca de pistas menos óbvias. «Quem sabe se não existe uma pista escondida!» Pensou. Riu-se de imediato do pensamento. Isso só acontecia nos filmes ou nos romances. Em todo o caso, passou os envelopes e cartas recebidas a pente fino. Nada.
Fazia tempo que tinha enviado o resumo dos relatórios para o procurador. O conteúdo tinha deixado as autoridades nervosas. A elevada expetativa apenas tinha sido ultrapassada pelo tamanho da desilusão. Apesar disso, ele não tinha desistido e havia mais de uma semana que se dedicava a analisar, em detalhe, o dossier do caso. Tropeçou novamente no livro “O Barão”. Já o tinha lido à procura de pistas sem qualquer sucesso. Passou a mão pela capa apreciando a textura, ao mesmo tempo que deixava o pensamento voar livremente sobre o caso. Era uma edição da SPAUTORES, com uma excelente qualidade. A capa negra era macia e lustrosa. Folheou-o e deteve-se no verso da contracapa. A folha branca que cobria o verso apresentava uma irregularidade. Parecia que tinha sido mal colada, por oposição ao verso da contracapa. Passou a palma da mão por cima. Definitivamente existia uma irregularidade, mas não a que inicialmente tinha imaginado. Por baixo da folha banca existia algo escondido. Observou com mais atenção e percebeu que a folha branca tinha sido descolada e voltado a ser colada. «Meu Deus! Será verdade?» Interrogou-se. Com mil cuidados e recorrendo à técnica do valor de água, descolou a folha branca que revestia o verso da contracapa. O assobio foi o efeito reflexo do espanto que o rosto refletia. O livro tinha um formato ligeiramente superior ao A5, o que tinha permitido esconder uma folha com esse formato, que quase não se notava. Perestrelo leu o texto de uma assentada. Estava febril de excitação. Era seguramente uma charada que escondia uma pista. O mais provável era que fosse sobre o caso. Era preciso não esquecer que o livro tinha sido oferecido por Karen. «Será que ela tinha adivinhado que corria risco de vida?» Pensou. Leu e releu o texto escrito naquela folha de papel sem que isso se revelasse de alguma utilidade. Fosse qual fosse a mensagem que este escondia ele não a conseguia descortinar. Apesar disso, o estado de excitação era tal que o manteve de vigília até perto da meia noite. Era óbvio que o papel conferia o direito a receber algo em troca numa determinada morada. O problema estava na identificação desta. A mensagem tinha duas partes. Num dos versos do papel estava uma espécie de recibo com o seguinte teor:
“Receipt
The Item must be delivered to the holder of this paper, at the address indicated.”
Na outra estava o texto cujo significado lhe escapava.
“Busca o Amor Fraternal. Quando colocares os pés em terra firme procura a Caixa para Depositar o Item. Este ser-te-à revelado quando vires o rosto do grande chefe.”
Era suposto este texto corresponder a uma morada e o insucesso em identifica-la estava a deixá-lo em stress. Decidiu ir dormir. Não havia nada como uma mente fresca para lidar com este tipo de assunto.
Jair parecia um cão raivoso. A tentativa de tomada de poder da sociedade tinha falhado, mas pior que isso era que o cerco se apertava. Tinha em seu poder informações que valiam muito dinheiro e lhe proporcionavam alguma defesa, mas não podia fazer uso delas, pois apenas funcionavam quando acompanhadas com boas somas de dinheiro e ele tinha esbanjado os milhões que não estavam arrolados no divórcio. Estava prisioneiro daquele processo. O melhor era dar-lhe tudo o que ela queria e acabar com aquilo rapidamente. O toque do telefone trouxe-o de novo à realidade. Era o seu braço direito a reclamar vários pagamentos. Já tinha perdido alguns homens, por isso o melhor era saldar todas as contas. Tinha acionado as contas de reserva e os cofres onde guardava dinheiro vivo também começaram a ser esvaziados. As pequenas contas não deviam representar um problema. Pensou na Maria Eduarda e na família dela. A morte deles tinha sido um erro. Um erro cujo preço ele estava a pagar. Recostou-se e disse em voz alta como se falasse com alguém:
«A vingança serve-se fria!»
No palacete da Lapa a azáfama era grande. As pessoas chave tinham sido mudadas e o chefe de segurança sentia que o despedimento pendia sobre a sua cabeça, qual espada de Démocles. O melhor era estar um passo à frente para não ser apanhado de surpresa.
O chefe da segurança estava sentado em frente ao colega e disse-lhe sem rodeios aquilo que pensava.
«É melhor começares a procurar um novo emprego»
Ao princípio o colega estava um pouco cético, mas acabou por concordar com o chefe. Iriam fazer as coisas com calma e sem grande alarde, mas não esperariam pela carta de despedimento. Nos últimos dias tinham visto muitas lágrimas e arrancar de cabelos. Era melhor não passarem também por essa situação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s