Postal (vivo) de Natal



Sobre a folha esvoaça a pena,
com pena de isto ter de narrar!
Pesam-te as penas do teu penar,
sem que a vida se torne amena.
Sem sequer olhar para mim,
corres sempre sem parar,
não sabes bem onde queres chegar,
para isso, tinhas que conhecer o fim.
Desvaneceu-se o fulgor de outrora,
perdido, nas agruras da vida,
restou a tua alma incompreendida,
interrogas-te sobre o que fazer agora!
Para onde corres afinal?
Passam os meses e as estações,
passou-te o ano, aos tropeções,
o mundo parece querer-te mal!
Lá no fundo surge uma luz,
algo que pode fazer a diferença,
dentro de ti renasce a esperança,
bate à porta alguém, truz, truz…
A medo é aberta a porta
entra o aconchego da família,
amizade e amor em vigília,
e o resto já não importa
Mesa farta, quem diria!
Noite fora, serve-se o manjar,
na bandeja, espaço para amar,
ao invés de rica iguaria!
Nessa noite tão especial,
num mundo novo, em harmonia,
paz, amor e muita alegria,
celebremos todos O Natal!
Manuel Mota
Natal de 2013

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s