O IRMÃO (primeiro momento)

O IRMÃO (primeiro momento)


Jemuel Nebunga recusou a venda. Ainda muita coisa havia de acontecer e ele queria ser testemunha viva. Com as mãos amarradas atrás das costas olhava para o local onde se encontrava o jovem major, que comandava o pelotão, sendo invadido pela mesma sensação de familiaridade que o assombrava sempre que olhava aquele rosto. Pensou no jogo de xadrez que ganhara na noite anterior «Porque fora tão fácil ganhar?» interrogou-se. «Aquele movimento da rainha foi um sacrifício maternal» disse, em voz alta, olhando-o nos olhos. Como resposta obteve uma contração dos maxilares e um olhar vacilante, que durou apenas uma fração de segundo. O furtivo, nome que fazia jus à sua capacidade de se infiltrar nas hostes inimigas, com era conhecido o Jemuel, Capitão da UNITA, fora capturado na batalha da tomada do Huambo, apenas porque ficou preso pela derrocada de um muro. Os ferimentos ligeiros pesavam-lhe menos que o orgulho ferido, mas não podia queixar-se do tratamento que lhe tinham dispensado. Era como se esperassem algo em troca. Ele agradecia. Enquanto recuperava matava a ociosidade num tabuleiro de xadrez. A expressão enigmática enganava os adversários e iludia-o a ele, era como se estivesse longe daquele lugar. O alarde dos dois gipes, ao travar frente à caserna, fê-lo levantar a cabeça e olhar a floresta que os rodeava. «A tarde começa de uma forma auspiciosa!» murmurou. Um bando de pássaros negros levantou voo assustado. «Será um presságio?» pensou. 
«Vamos» ordenou o soldado, com voz suave mas firme. 
Entrou no jipe sem resistência nem entusiasmo. Os quatro homens que acompanhavam o major projetavam a sua musculatura no espaço, parecendo não caber dentro do uniforme e as feições duras deixavam adivinhar aquilo a que vinham. Ele olhou para fora do gipe e soube que não mais se sentaria à frente do tabuleiro de xadrez. Deixou-se conduzir apático como quem faz uma viagem desinteressante. «Assim é a minha Viagem.» pensou. «Não era bem isto que tinha imaginado». O silêncio, reconfortante no início, tornou-se ensurdecedor, mas antes que fosse quebrado chegaram a uma clareira, com uma paliçada de madeira num dos extremos. As viaturas imobilizaram-se e o único som que quebrou o silêncio foi um longínquo troar. Eram os sons da guerra.
(baseado em texto de José Eduardo Agualusa)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s