O AMIGO

O AMIGO

A amizade não tem preço nem obedece a uma contabilidade a não ser a dos afetos!

A distância que os separa continua a ser a mesma que era há dez anos atrás. A relação, essa sofreu a erosão do tempo e dos factos!

Estávamos em 2007. Portugal vivia um momento eufórico. A sensação geral era de que existia dinheiro para tudo. Foi uma sensação que saiu cara a muitos portugueses! Patrick era um gestor bem sucedido, com uma formação sólida e uma carreira estável. O telefonema foi uma agradável surpresa. Ao ver o nome associado ao número a sua memória recuou ao final dos anos setenta.

Patrick e Faustino eram os melhores amigos. Conheceram-se em Viseu, terra natal dos dois, no nono ano e apenas se separaram quando Patrick foi estudar para Lisboa. Faustino seguiu o seu exemplo no ano seguinte, tendo ido para o Porto, depois de um ano a melhorar a média. Apesar da distância a sua amizade manteve-se forte e sempre que podiam estavam juntos. Inevitavelmente, nas férias, em alguns fins-de-semana em Viseu e nos grandes eventos, como o casamento de um e outro. Apesar da distância bastava um telefonema para os ligar de imediato, embora estes fossem cada vez mais raros, depois de Patrick ter sido o único amigo a discordar do negócio. Faustino era casado com uma professora primária que estava habituada a ter um nível de vida muito acima dos seus rendimentos, mas sobretudo entendia que ser dona de um negócio significava viver sem trabalhar. Sim porque trabalhar como professora ela nunca quis. Faustino foi alimentando essa ilusão. Era um homem apaixonado e Rita era uma mulher fabulosa: linda, elegante e dez anos mais nova que ele. Enquanto o custo necessário para sustentar os sonhos de empresária de Rita não colocou em risco o património dos dois, Patrick absteve-se de qualquer comentário. O novo projeto era megalómano. O investimento inicial implicava a hipoteca das duas casas e o custo do franchise exigia um volume de negócios mensal na ordem do vinte mil euros. O valor era difícil de atingir, mas com Rita ao leme era totalmente inalcançável! Patrick foi o único amigo que não apoiou a ideia. Aliás Patrick foi mais longe e manifestou abertamente a sua discordância. Rita nunca lhe perdoou e isso arrefeceu a relação com o amigo.

«Faustino. Há quanto tempo! Nos últimos dois anos não tens respondido às minhas chamadas…»

Silêncio.

«Faustino estás aí?»

O som de um soluço abafado causou-lhe um aperto no peito. Patrick respirou fundo antes de voltar a falar.

«O que se passa Faustino?».

«A minha vida está um caos.» Disse Faustino, entre soluços.
Patrick manteve-se em silêncio e deixou que fosse o amigo a falar.

«Preciso de ajuda. Toda a gente me abandonou. Todos os que me apoiaram e até beneficiaram de descontos ou ofertas deixaram de me atender o telefone.»

Patrick pensou muitas coisas. Todas elas pouco agradáveis mas puras verdades. «Não. Não é o momento para o criticar. Neste momento tenho de o apoiar.» Disse para com os seus botões. Respirou fundo para tentar disfarçar o embargo na voz.

«Qual é a ajuda que precisas?»

«O meu negócio está falido e no local onde está nunca vai ter sucesso. A marca está a dar-me a possibilidade de mudar o negócio para o Porto. É a minha oportunidade de recuperar.»

«Quem vai gerir o negócio?»

«Sou eu. Essa é uma das razões porque tem de ser no Porto. Eu tenho de estar perto do negócio?»

«Tens consciência que, por um lado, tu não vais ter tempo para gerir o negócio e, por outro, as condições que a marca te dá não te permitem ser rentável?»

«As condições foram ligeiramente melhoradas e a marca vai perdoar uma parte dos fees em dívida»

«Mesmo assim não é melhor saíres agora?»

«Não possa sair agora. Se sair não perco só o negócio. Perco também a mulher. Eu não posso perder a Rita» Disse Faustino, num grito de desespero.

Patrick sabia que estava tudo errado. Não era daquela forma que Faustino iria recuperar a mulher. Alias se a mulher colocava essa condição sobre a mesa então ele já a tinha perdido. Mais uma vez não era o momento para recriminações, era o momento para ser solidário.

«O que precisas em termos muito concretos?»

«Preciso que uses os teus contactos para me conseguir um financiamento de quinze mil euros e preciso que sejas meu fiador.»

Aquilo era completamente absurdo. Nenhum banco financiaria o amigo ou talvez financiasse, mas com ele como fiador. Aquilo era tudo o que Patrick não queria.

«Envia-me o teu plano de negócios e as contas dos últimos três anos da sociedade. Vou analisá-las e falo contigo amanhã.»

«Tu vais mesmo ajudar-me?» Perguntou Faustino, pois sabia o que o amigo pensava do negócio, bem como o afastamento a que o tinha votado nos últimos anos.

«Falamos amanhã.» Disse Patrick.

O plano de negócios não era credível e as contas dos últimos anos eram uma desgraça. Só existia uma solução: Era ele emprestar o dinheiro ao amigo. Na verdade seria dar o dinheiro ao amigo. Patrick partilhou o assunto com a sua mulher.

«Depois de tu teres sido contra o negócio e do que a Rita te fez tu ainda queres ajudar o Faustino?» Perguntou a mulher.

«Sim»

«Tu és um homem admirável. Ele não sabe a sorte que tem em ter-te como amigo. É por isso que eu te amo tanto. Tens o meu apoio.»

No dia seguinte Patrick ligou ao amigo.

«Olha o teu negócio não tem pernas para andar. Nenhum banco te vai financiar isto e na minha opinião apenas te vais afundar ainda mais»

«Eu já sabia…»

Patrick interrompeu o amigo.

«Ouve-me até ao fim. Apesar de tudo o que te disse e de achar que a postura da Rita não te ajuda em nada, vou-te emprestar o dinheiro»

«Vais emprestar-me o dinheiro?» Disse, Faustino, não acreditando nas palavras que ouvia.

«Sim.»

«A Tereza sabe disso?»

«A Tereza não só sabe como me apoia incondicionalmente.»

«A tua mulher é fora de série!»

«Eu sei». Respondeu Patrick, plenamente consciente dessa realidade.

«Olha eu não sei quando te vou conseguir pagar.» Disse Faustino.

«Pagas quando puderes e se puderes. Na verdade eu e a Tereza assumimos esse dinheiro como perdido.»

«Obrigado Patrick. Depois de todos me abandonarem nunca pensei que me ajudasses. Pensando bem faz sentido. Tu estiveste sempre lá quando eu precisei.»

«O que é importante é que endireites a tua vida, sobretudo que clarifiques as coisas com a Rita.»

Patrick não sabia mais o que dizer. E depois das despedidas ficou a remoer o assunto. Ele não se importava de fazer o sacrifico que estava a fazer para ajudar o amigo. O que o corroía era saber que na verdade não estava a ajudá-lo a resolver o problema, mas apenas a adiar o mesmo. Ele teria preferido que o amigo fechasse o negócio, liquidasse as contas e usasse o empréstimo para recompor a vida, mas esse tipo de solução não era possível com a Rita envolvida.
Depois de feito o empréstimo Patrick não mais conseguiu contactar o amigo. O telefone deixou de funcionar e os emails ficaram sem resposta. Um pouco mais de um ano depois, recebeu um telefonema do amigo, agora de um número diferente, informando que a Rita o tinha deixado e que os credores tinham ficado com tudo. Esteve inclusive à beira de perder o emprego. Patrick deu-lhe a força possível e durante algum tempo foram muitos os telefonemas trocados. De um dia para o outro o telefone de Faustino emudeceu. Patrick não esqueceu o amigo e a Tereza diz-lhe muitas vezes.

«Aposto que se ele te telefonar a pedir ajuda tu não vai hesitar em ajudar»

Patrick sorriu evitando uma resposta. «Eu sou amigo dele!» Pensou.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s