ALMA GÉMEA

ALMA GÉMEA


Alma gémea: Uma ilusão ou uma realidade?


Ele estava apenas a uns centímetros de distância. O bafo quente da sua respiração batia-lhe na cara. Hipnotizada não conseguia desviar os olhos daquele rosto. «E agora?» Pensou.

Fazia algum tempo que ela tinha os sonhos. Eram sonhos muito eróticos que quase nunca envolviam o marido. Casada fazia dois anos, depois de um namoro de seis meses, sentia que lhe faltava algo. Amava loucamente o marido mas a relação sexual com este não a satisfazia completamente. De entre os seus namorados apenas um a satisfizera em pleno. Tratava-se de um homem casado que a levara a experienciar coisas que ela nunca imaginara. Coisas de que gostou. Gostou demais e das quais sentia saudades!

«Porque é que os jovens não sabem fazer sexo como tu?»

«Provavelmente sabem, mas só depois de casados é que percebem o quanto as mulheres gostam deste tipo de variações. O sexo é entendido de uma forma muito puritana e a utilização do corpo como forma de obter prazer é invariavelmente entendida como falta de respeito.» Disse o amante.

O casamento não mudou nada. O marido continuava a olhar para ela da forma puritana como sempre olhou. Aquilo estava a incomodá-la de tal forma que nos seus sonhos começou a aparecer um jovem ruivo, belo e espadaúdo, que lhe fazia sentir prazer de uma forma que faria corar a mulher mais experimentada.

O marido tinha saído em trabalho. Avizinhava-se um fim de semana e as amigas já tinham programa fora de Lisboa. Sexta à noite ficou a ver televisão até tarde e a noite foi muito agitada. O ruivo “visitou-a” várias vezes tendo acordado toda transpirada e com um desejo que teve de ser satisfeito para não a consumir. Sábado à noite não resistiu. Jantou, arranjou-se e foi até à discoteca. O plano era dançar até se cansar e depois ir para casa e dormir que nem um anjo. Sozinha, no meio da pista bamboleava o corpo ao som da música. Era um mulher com um rosto interessante, uma anca larga e uns seios que se projetavam no espaço de forma bem visível. Não sendo bonita, nem especialmente escultural, possuía uma sensualidade que deixava os homens loucos. Kizomba! «Como seria bom ter alguém para dançar.» Pensou, enquanto movia o corpo de olhos fechados. Abriu os olhos assustada quando sentiu o contacto. Ele agarrava-a gentilmente pela cintura. Sorriu. Ela retribuiu a sorriso e deixou-se conduzir pela pista. Os corpos tocavam-se a espaços e contorciam-se em movimentos sensuais ao som da música. A sua imaginação começou a divagar. Ela queria que ele a agarrasse a beijasse e a tocasse nas suas partes intimas. Ele parecia adivinhar o desejo dela e acentuava os movimentos de contato, pressionado o seu corpo contra o dela, para se afastar em seguida num movimento rápido. Fazia tudo parte da dança. Ela estava a ficar louca! Quando a música terminou, num movimento rápido puxou-a para ele. Ela sentiu claramente a intumescência do seu sexo. Estremeceu. Ficou presa naquele olhar, seduzida por aquele sorriso. Lentamente colocou as mãos à volta do pescoço dele e deixou-se envolver pelo beijo. Foi algo intenso, profundo e selvagem. De tal forma demolidor que eles perderam a noção do local onde estavam a as mãos de cada um invadiram a privacidade do outro, tocando-se e acariciando-se de forma febril. Quando deu por si estava no carro dele. As alças do vestido fora dos ombros e as cuecas e soutien no tapete do carro. «Meu Deus! Eu vou mesmo fazer isto?» Pensou. Rapidamente chegaram ao aprestamento dele. Ele segredava-lhe ao ouvido tudo o que ela sempre desejara ouvir. Coisas eróticas. Palavras feias, mas excitantes. Ela estremecia de prazer. A noite foi curta para fazerem tudo o que queriam por isso adormeceram quando já eram oito da manhã. Às dez horas ela acordou. Ele ainda dormia. Ela vestiu-se sem fazer ruído e foi-se embora. Dormiu até às cinco da tarde hora a que o telefone tocou. Era o marido.
Ela não sabia quem o rapaz era, nem onde ele vivia pois o apartamento onde estiveram não era dele, como ela veio a descobrir mais tarde. Ele também não sabia quem ela era. Fora apenas uma noite, mas tinha deixado marcas muito profundas. Madalena vivia mortificada pelo remorso. O que tinha acontecido não era assim tão relevante. A aventura não tinha diminuído o amor pelo marido, mas tinha aberto uma porta que ela não conseguia fechar. Ela precisava de muito mais do que o amor do marido. Ela tinha necessidade de uma vida sexual diferente, menos ortodoxa, mas muito mais viva e colorida, nos atos e na linguagem. Alguns meses depois dessa noite ela estava em casa sozinha com o marido. Era sábado à noite e eles não iam sair. Este não era muito amante de beber mas preparou umas caipirinhas, bebida que a mulher adorava. Distraiu-se e colocou no seu copo o dobro da dose do normal. Sentados no sofá sorveram rapidamente as caipirinhas. Ele terminou primeiro que ela e não tardou muito começou a beijá-la e a dizer coisas que ela nunca lhe tinha ouvido. Ao invés de o recriminar, como ele esperava, ela incentivou-o. O jantar ficou esquecido. Sexo, muito sexo. Sexo puro, doce, selvagem e obsceno. Tudo o que ela sempre desejara concretizou-se. O homem que lhe dava tanto amor também lhe podia dar todo o prazer do mundo. O mais interessante é que ele sentia prazer nisso também.

Finalmente tinha descoberto a sua alma gémea!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s