A JORNALISTA | PARTE I | CAPÍTULO 6



A JORNALISTA | PARTE I | CAPÍTULO 6– O Interrogatório

Ao fim de oito dias Roger já estava familiarizado com a rotina. Passava demasiado tempo na cela, consigo próprio e isso obrigava-o a pensar demasiado na sua situação. Quanto mais pensava no assunto mais negro via o futuro. Nada havia mudado mas a solidão é traiçoeira e nessas alturas alia-se ao pensamento para nos pregar partidas. Os cenários tinham todos um fim trágico e eram negros como o negrume de uma noite de inverno, sem luar.
Quando o guarda o chamou para o interrogatório ele limitou-se a segui-lo. Caminhava em passos curtos mas ritmados. Sem pressas nem hesitações. Ele estava convencido da sua inocência mas, incapaz de a provar, depositava a esperança nos seus aliados: a advogada e o detetive particular. O fundamental era manter essa esperança viva. Como da última vez a sala estava vazia, entregue ao seu vigilante: o guardador de segredos. «Será que existem segredos?» Pensou.
Quando a porta se abriu ele sobressaltou-se. Virou-se no assento e olhou para a porta. Levantou-se para cumprimentar a sua advogada e saudou os inspetores. Depois ficaram todos de pé e em silêncio, por breves instantes. Sem necessidade de mais palavras sentaram-se. O silêncio pesava toneladas. A equipa de investigadores não tinha pressa de começar. Mónica gostava de criar esse tipo de suspense. Era como se não soubesse bem por onde começar.
Começaram pelas formalidades legais e depois de estarem todos de acordo sobre o procedimento, Mónica Fonseca recostou-se na cadeira e olhou de forma intencional para João Ribeiro.
«Qual era o tipo de relação que mantinha com Karen McDonald?» Perguntou o inspetor chefe.
«Éramos amigos.»
«Apenas amigos?» Perguntou ele em tom irónico.
«Sim.»
Silêncio. Os inspetores estudavam o rosto de Roger, mas este estava completamente tranquilo. João Ribeiro parecia prestes a perder as estribeiras.
«Com que frequência falava com a sua amiga
«Falávamos com bastante frequência.»
«Então deviam ter uma amizade muito “especial”.» Comentou João Ribeiro.
Roger sabia bem onde ele queria chegar mas não podia abrir o jogo. Ele preferia ser condenado a trair a sua amada.
«Porque não admite que Karen era sua amada e que a matou por ciúmes?»
«Vocês estão doidos!» Exclamou Roger, quase a perder as estribeiras.
João Ribeiro encostou-se à mesa e com ar triunfante apresentou os seus argumentos. Eles tinham tido acesso às conversas e mensagens que Roger trocava com Karen. Era claro que eles tinham uma relação muito íntima. Era também claro que tinha sido ela a convidá-lo para ele ir ao palacete na noite fatídica. Os inspetores tinham também descoberto que Karen tinha uma outra relação. Roger ouviu com displicência essa informação. Ele sabia perfeitamente que karen tinha uma relação que por motivos pessoais mantinha reservada. Mas também aqui os factos jogavam contra ele. Tinha que desmontar os argumentos deles!
«Portanto é óbvio que você matou a Karen por ciúmes.»
Roger não podia deixar que as coisas ficassem assim. Ele não tinha cometido aquele crime.
«Já que descobriram isso tudo, deviam também saber que a minha relação não era com a Karen, mas sim com a Anne.»
Esta informação foi um balde de gelo para os inspetores. João Ribeiro e Mónica Fonseca olharam um para o outro estupefactos. Roger explicou que o pai dela queria que ela casasse com um homem tão rico quanto ele e portanto proibia-a de andar com homens que não tivessem esse estatuto. Pai e filha tinham uma relação muito difícil. Karen servia de intermediária entre Roger e Anne e facilitava os encontros, levando inclusive o pai de Anne a pensar que Roger e Karen eram namorados. Mónica sorriu. A teoria do João tinha caído por terra. Ela tinha um palpite mas guardou-o só para si.
Pelo pensamento de Roger passou um flash de cenas e momentos na companhia de Anne. A sucessão de momentos juntos terminava, surpreendentemente, naquele beijo fortuito e inconsequente entre ele e  Karen. Fora o único beijo entre eles, mas ele tinha gostado.
«Explique-nos lá como funcionava a sua relação com Anne.» Pediu Mónica Fonseca com uma voz suave.
Anne e ele tinham-se apaixonado quando ele participou no primeiro evento da empresa do pai dela em 2013. Desde essa altura que se encontravam às escondidas para que o pai dela não descobrisse. Karen servia quase sempre de intermediária mas ele fora muitas vezes ter com ela a locais secretos, mesmo sem a presença da Karen. Ele fazia tudo para estar umas horas com ela e seria capaz de ficar ao seu lado para toda a vida. Ela dizia-lhe vezes sem conta, que desejava o mesmo, mas estava sempre com pressa, não podendo ausentar-se muito tempo para não levantar suspeitas. Roger falou durante mais algum tempo, mas a verdade é que, aparentemente, sabia muito pouca coisa. João Ribeiro achava que ele estava a esconder a verdade, sendo o verdadeiro assassino. Por seu lado Mónica Fonseca começava a achar que Roger ou, era o assassino e por qualquer razão não estava consciente de tal facto, ou estava inocente. «O raio das provas!»  Pensou ela. Era a sua vez de pressionar o suspeito.
«Qual era a sua relação com a governanta?» Perguntou Mónica Fonseca.
«Era puramente profissional, mas era uma boa relação.»
«Existe alguma razão para ela se querer vingar de si?»
«Não.»
«Então assim sendo, como explica que ela diga que o viu debruçado sobre o corpo de Karen, apunhalando-a?»
Roger ficou perplexo. Como podia a governanta dizer tal coisa? Era exatamente o oposto. Colocou-se na pele dela e fez-se luz.
«Já percebi. Eu estava do outro lado do sofá e do local onde ela estava apenas viu o movimento ascendente da minha mão empunhado a faca e assumiu que eu estava a apunhalar a Karen.» Disse ele, batendo com a palma da mão a testa.
Fazia sentido, tal como muitas outras coisas que ali foram ditas mas era tudo circunstancial. Karen tinha sido morta à facada, com as facas dele e as únicas impressões digitais nas facas eram as dele.
«Mais uma explicação muito conveniente.» Disse João Ribeiro.
«Onde está Anne?» Perguntou o inspetor chefe.
«Isso gostava eu de saber. O jantar que eu ia fazer era para ela e para a Karen. Elas tinham viagem marcada no dia seguinte de madrugada. Anne deve ter viajado para a Indonésia.»
«Na sua versão dos factos, como estava Karen quando a virou?»
«Estava desmaiada e a respirar com alguma dificuldade. Parecia estar em grande aflição.»
«Ela disse alguma coisa?»
«Não.»
«Porque é que a governanta não estava em casa quando chegou?»
«Não sei. Ela até podia estar em casa. E se a Karen estava desmaiada alguém me abriu a porta. Pode perfeitamente ter sido a governanta.»
«Mas também pode ter sido a Anne. Você não ia cozinhar para as duas?»
«Não sei quem abriu a porta. Eu assumi que apenas elas estariam no palacete pois o jantar era apenas para elas, mas podiam estar lá outras pessoas.»
«Como explica que você também tenha desmaiado?»
«Quando me debrucei sobre Karen senti um cheiro estranho. Senti o cheiro do sangue dela misturado com outra substância, parecia clorofórmio.»
«Isso é muito conveniente. No entanto, não foram encontrados vestígios dessa substância no local!» Disse João Ribeiro, com ar triunfante, embora ainda não conhecessem os resultados das análises.
«A razão não sei, mas a verdade é que desmaiei e quando acordei a Karen dava os últimos suspiros.»
«Isso também é muito conveniente. Mas a verdade é que ninguém o viu desmaiar a as únicas pessoas que estavam no palacete, quando a governanta chegou, eram você e a Karen e as suas facas claro!» Disse João Ribeiro, em tom jocoso.
«Eu não matei a Karen!» Protestou Roger, em desespero.
Silencio. João Ribeiro não disse nada e recostou-se para trás com um sorriso nos lábios.
Mónica ficou pensativa. Existia uma hipótese que ela queria testar, mas era melhor não adiantar nada sobre o assunto.
«Você no seu conjunto de facas tinha algum bisturi?»  Perguntou Mónica Fonseca.
«Não.»
«Sabe se existia algum bisturi no palacete ou se alguém possuía ou tinha razão para possuir um.»
«Não. Bom… a Anne tirou o curso de medicina e deveria saber usá-lo. Mas que eu saiba não tinha nenhum, embora não deva ser difícil de obter.»
«Isso é curioso, sobretudo porque, de acordo com as informações que recebemos, Anne foi jantar a casa de uns amigos e terá partido daí para o aeroporto.» Disse João Ribeiro.
«Qual a relevância do bisturi nesta história?» Perguntou Roger.
«Se não sabe é porque não precisa de saber.» Respondeu Mónica Fonseca.
Roger olhou para a advogada e esta assentiu com a cabeça. Seria assim até ser aberta a instrução do processo ou ser produzida uma acusação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s