JORNALISTA | PARTE II | CAPÍTULO 10


JORNALISTA | PARTE II | CAPÍTULO 10 – Uma noite inesquecível

Quando chegaram a casa da advogada Anabela continuava muito nervosa.
«Já é muito tarde para irmos jantar. Vamos abrir uma garrafa de vinho.» Disse ela.
Sem esperar resposta tirou do frigorífico vários queijos e enchidos e passado pouco tempo estavam sentados à mesa, enfrentando um manjar de frios. Apesar de querer disfarçar a advogada continuava tão nervosa que não comeu nada. Ao fim do segundo copo de vinho ficou mais calma e desinibida, apesar de continuar a tremer. Perestrelo segurou-lhe a mão, apertando-a para lhe transmitir calma e segurança. Ela levantou o rosto e olhou-o nos olhos. O toque dele teve o efeito contrário. Ela tremia cada vez mais. Perestrelo estava genuinamente preocupado com ela. A sua preocupação era tal que não percebeu nada do que se estava a passar. Anabela lutava com os seus demónios. A ausência do contacto físico tornava fácil abafar a paixão, mas quando ele lhe segurou a mão as barreiras caíram todas por terra. Ainda assim a razão tentava interpor-se entre os dois. «A nossa relação é profissional. Se der este passo nada voltará a ser igual. Tu não queres isso». Dizia ela a si própria. Olhou para o detetive e o olhar dele refletia apenas preocupação. Ela ficou baralhada. «Será que li mal os sinais? Achava que ele também gostava de mim?» Pensou.
Perestrelo encheu-se de esperança ao ver o brilho do olhar dela, mas calou-a de imediato quando este se esvaneceu. «Não te enganes!» Pensou ele. Como ela não parava de tremer ele gentilmente puxou-a para si e abraçou-a. No início o corpo dela estava tenso e contraído tornando-se duro. Foi um abraço desconfortável. Mesmo assim, ele procurou aclamá-la.
«Não te preocupes. Agora estamos em casa e eu não vou deixar que te aconteça nada.»
As palavras dele eram quentes, profundas e sinceras. Ele estava realmente preocupado com ela. Como ela fora ingénua! Ele gostava dela e por isso estava preocupado. A preocupação sobrepunha-se ao desejo. Ele era um verdadeiro cavalheiro. Relaxou. Envolveu-o com os braços e correspondeu aos seus carinhos. Os corpos colaram-se como duas lapas. O contacto produzia descargas elétricas que os aqueciam. Ela continuava a tremer e ele finalmente entendeu o motivo. Ela tremia de desejo. Perestrelo segurou-lhe o queixo e olhou-a nos olhos. Cada um deles viu nos olhos do outro a paixão que lhes consumia a alma e fervilhava nas veias. Ele acariciou-lhe o rosto e ela entreabriu os lábios num pedido mudo de um beijo. Os corpos buscavam-se um ao outro como se tivessem vida própria. O contacto entre eles tornou palpável o quão excitado estava o detetive. E intumescência volumosa e vibrante surgia entre os dois como algo deliciosamente incomodativo. Era simultaneamente um convite e uma tentação. O detetive beijou-a. Primeiro suavemente depois com avidez e sofreguidão. As bocas envolveram-se num diálogo de paixão selvagem, usando-se, explorando-se ou simplesmente entregando-se.
Norberto Perestrelo não queria correr riscos. Fazia muito tempo que ele ansiava por aquele momento. Tinha sonhado vezes sem conta com ele, mas tinha-se convencido que nunca aconteceria. Agora, que se tinha tornado realidade, ele queria ter a certeza que ela desejava mesmo estar com ele e que não era apenas o vinho a falar. Afastou-a gentilmente, segurando-lhe as mãos entre as suas e olhou-a com paixão.
«Eu quero-te tanto que nem sei dizer o quanto te quero.»
Ela olhou-o derretida. Um frémito de desejo percorreu-lhe o corpo e ela selou-lhe os lábios.
«Atrever-me-ia mesmo a dizer que te amo.»
Ela sorriu.
«Talvez seja cedo para afirmar isso. Eu sei que te quero com todas as fibras do meu corpo.» Disse ela.
«Eu só quero ter a certeza que não é o vinho ou o medo a unir-nos…»
Ela não o deixou concluir.
«Aquilo que sinto por ti não é de hoje.» Disse ela.
«Eu sinto o mesmo. Assim sendo, nada nos impede de nos amarmos.» Disse ele.
«Então vem.»
Pegou-lhe na mão e conduziu-o para o quarto. Ela seguia à frente e ele, ao mesmo tempo que fechava a porta com um pé, abraçou-a por trás. Ela pressionou o corpo conta o dele, para o sentir melhor. Estremeceu de prazer. Quis voltar-se mas ele manteve-a presa nessa posição. Isso excitou-a ainda mais. Ergueu o braço, puxou a cabeça dele para baixo e torceu o corpo, oferecendo-lhe os lábios. Ele aceitou o convite e beijaram-se com ternura, mas de forma intensa e profunda. O braço esquerdo dele, posicionado na cintura dela, pressionava os dois corpos um conta o outro. Com o braço direito libertou-a da blusa e do soutien e encheu-lhe o corpo de carícias. Lentamente, desbotoou-lhe as calças e explorou a sua zona erógena com uma lentidão desesperante. O corpo dela reagiu ao contacto em sobressalto, contorcendo-se ao mesmo tempo que gemia quase de forma contínua. A mão dele avançou mais destemida e explorou o seu íntimo. Os estremecimentos tornaram-se convulsões e os gemidos transformaram-se em pequenos gritos. Ela atingiu o primeiro orgasmo!
Quando ela se acalmou um pouco ele deixou-a virar-se para si e beijaram-se de forma carinhosa. Ela libertou-se da pouca roupa que lhe restava e tirou-lhe a camisa, desabotoando cada botão com gestos lentos e sedutores, ao mesmo tempo que lhe ia beijando o tronco. Quando terminou estava de cócoras beijando-lhe o umbigo. Ele olhou-a interrogadoramente. Ela retribui-lhe com um sorriso maroto e desapertou-lhe o cinto. De joelhos ela acariciava-o levando a excitação dele ao rubro. Usando as mãos, a boca e a língua, com mestria, transportou-o até ao paraíso. Quando ele sentiu que não aguentava mais, levantou-a, puxando-a pelos braços com delicadeza, e beijou-a com paixão.
Pegando-a pela cintura ele sentou-a na cama e depois rebolaram um por cima do outro. Ela sentou-se em cima dele sentindo-o nas suas profundezas. Aquilo era muito melhor do que ambos tinham imaginado. De olhos fechados e com movimentos lentos eles gozavam o contato externo e interno, com um prazer tão profundo quanto o sentimento que os unia. «Bolas! Será que eu amo este homem?» Pensou ela. Ele puxou-a para si e rolou para cima dela. Ele era bem pesado mas isso não a incomodava. Abriu-se para ele e ele penetrou-a ainda mais profundamente. Enquanto ele rodava o corpo rebolando, ela usava os músculos para lhe massajar o membro com contrações e relaxamentos sucessivos. Perderam a noção do tempo. O prazer era tanto que eles o prolongaram, adiando o clímax o mais tempo possível. Quando isso se tornou impossível, explodiram num uníssimo indescritível. De olhos fechados eles sentiram a terra tremer e viram o céu encher-se de fogo de artifício. Nunca tinham experimentado uma coisa assim. Ficaram colados um ao outro gozando cada segundo, sentindo um prazer infinito em cada movimento, em cada contacto, até ficarem exaustos.
Ele procurou uma posição mais confortável e, deitado de costas, puxou-a para si. Ela deitou a cabeça no peito dele e, colocando a perna esquerda sobre as dele, buscou o aconchego do corpo masculino. Ele acolheu-a num abraço ternurento e adormeceram.
Algumas horas depois ela acordou no braços de Norberto. Nos primeiros instantes a situação pareceu-lhe estranha, depois recordou a intensidade do sentimento experimentado e aconchegou-se mais a ele. A perna esquerda sentiu a intumescência dele e ela movimentou-a lentamente. Perestrelo acordou e apertou-a com carinho. Estava outra vez excitado. Acariciaram-se mutuamente. Ele sentiu o muco vaginal humedecer-lhe a coxa esquerda e isso deixou-o em estado de sítio! Colocou-se em cima dela e beijou-a, acariciando-lhe o seios. Com os lábios percorreu-lhe a face, numa carícia e continuou até chegar à orelha, mordiscando-a.
«Vira-te.» Ordenou ele num tom meigo.
Ela estremeceu. No que dizia respeito a sexo ela adorava ser dominada. Excitava-a receber instruções de um homem sobre a posição a assumir ou sobre aquilo que devia fazer. Ele pediu-lhe para elevar a anca e, pegando numa almofada, colocou-a debaixo dela. Era uma posição em que ela ficava completamente exposta. Com carinho ele afastou-lhe ligeiramente as pernas, a visão era celestial. Ele acariciou-lhe as zonas erógenas, fazendo uma pressão muito suave nos orifícios dela. Anabela estava completamente fora de controlo. O corpo parecia ter ganho vida própria e reagia a cada toque, a cada carícia, com pequenos saltos, ao mesmo tempo que soltava um gemido quase contínuo. Ela entregou-se de tal forma a ele que estava em vias de atingir um orgasmo. Ele percebendo isso massajou-lhe o clitóris, com movimentos rápidos e introduzindo–lhe um dedo. Ela gritou de prazer e, apertando-lhe a mão dele com as coxas, estremeceu durante mais de um minuto. Quando ela se acalmou um pouco, ele continuou a acariciá-la, mantendo-a presa naquela posição. Tê-la assim dominada dava-lhe uma sensação de poder que o excitava de uma forma que nunca tinha experimentado. O seu membro estava tão duro que lhe doía. Quando sentiu que não conseguia aguentar mais dobou-se e segredou-lhe ao ouvido com uma voz rouca.
«Vou-te sodomizar.»
Ela ficou toda arrepiada. Era uma forma um pouco mais dolorosa de fazer sexo, mas ela adorava-a. Apenas se arrependia quando os homens eram demasiados brutos e a deixavam magoada. Norberto era um especialista. Depois de lubrificar a zona, excitou-a e entrou tão docemente, que ela nem sentiu. Inebriados com a sensação deixaram que os seus corpos comandassem os atos até que, sem necessidade de palavras, atingiram os dois o clímax. Houve gemidos, berros e gritos, tudo aconteceu naquele quarto. Não foi um momento tão mágico como o que tinham vivido há duas horas atrás, mas a sensação de prazer foi igualmente brutal. Tinham libertado a fera que existia dentro deles. Foi um momento de puro prazer e pleno de lascívia. Continuaram a acariciar-se a amar-se, até que, exaustos, adormeceram.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s