CARTAS DE AMOR – RESPOSTA AO AMOR REJEITADO



Reposta ao amor rejeitado
Tiago,
Li a tua carta quando a recebi e ri-me de escárnio. Eu tinha conseguido tudo aquilo que queria e naquele momento o teu lamento pareceu-me simplesmente patético. Hoje, volvidos nove meses, releio a tua carta e volto a rir-me de escárnio, mas de mim própria. Leio-a novamente e a única coisa patética que consigo encontrar é o meu comportamento disparatado, infantil e cruel. O ridículo da situação é que hoje quem sente a crueldade na pele sou eu, com a diferença de ter sido eu a causadora da mesma.
Aquele que pensava ser o homem da minha vida demonstrou não ser mais do que um garoto mimado, para quem eu não fui mais do que um guardanapo a que se limpou e que jogou no lixo, depois de usar. Depois disso tive outras relações, nenhuma delas duradoura e em nenhuma delas encontrei um amor como o teu. Hoje tenho consciência que tinhas por mim um amor profundo, verdadeiro e que podia ter durado toda a vida. Não deixa de ser estranho e irónico que ao pensar nisso tenha saudades tuas. Sonho contigo de olhos abertos. Imagino-te a meu lado e quase sinto o teu abraço. Fecho os olhos e vejo os teus cheios de amor, apenas a alguns milímetros de mim. Sinto a tua respiração e instintivamente entreabro os lábios esperando o beijo. Mas tu não estás aqui. Um homem como tu encontrou seguramente o amor que merece. Uma mulher que lhe deu o que eu não fui capaz e que aceitou aquilo que eu desprezei. Isso dói mais do que alguma vez pude imaginar. Não uma dor frívola de uma mulher que sente que o homem que foi seu pertence a outra. Essa seria uma dor suportável. A dor que eu sinto é muito mais profunda. É uma dor que me seca por dentro. Uma dor que me destrói, me arrasa, prostrando-me perante a vida. É uma dor de quem ama sem qualquer esperança!
Escrevo estas palavras sem a certeza do destino que lhes irei dar. Escrevo porque isso me ajuda a libertar do peso que este amor me faz carregar. Por vezes pergunto-me se não é tudo imaginação minha e se tudo não passa do resultado de uma mistura de solidão e saudade. Mas a verdade é que eu apenas estou só porque não consigo suportar a companhia dos inúmeros homens que querem ardentemente a minha. Eu olho para eles sorrio e digo que não. Nunca mais quero fazer ninguém sentir-se da mesma forma que eu me sinto ou da mesma que te fiz sentir a ti. Estou apaixonada por ti e enquanto assim for não farei nenhum homem pagar com a dor do abandono, apenas para me curar. Se alguma vez tiver coragem para te enviar esta carta espero que a leias e que me respondas. Não espero que ainda me ames, mas gostava de ter a oportunidade de te mostrar o quanto te amo e de que serei capaz de te fazer feliz. Mas mesmo que não queiras isso e apenas queiras que eu vá morrer num canto qualquer, o que é perfeitamente legítimo, não tenhas receio de o dizer. Eu preciso do teu amor, mas se o não puder ter preciso de me curar dele e a tua resposta pode ser o início desse processo.
Muitas vezes chorei de arrependimento por todo o mal que te fiz, até que me cansei de chorar sem nada fazer para mudar o estado das coisas. Esta carta é o primeiro passo na reconstrução da minha vida, mas é sobretudo uma declaração de amor.
Tua para sempre
Lurdes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s