A NOTICIA


A NOTÍCIA

A casa era recente. Tinha sido concluída não havia cinco anos e, tal com era uso, tinha, no piso térreo, um ladrilho para as malhadas, uma adega e várias cortes: para as vacas e para os porcos. As paredes exteriores eram de perpianho duplo até à altura do primeiro piso e de perpianho simples a partir daí. O soalho era de madeira e as telhas suportadas por uma estrutura de feita de carvalhos e pinheiros, que tal como o soalho, tinham sido cortadas nas suas propriedades e aparelhados na serração, de Vila Real.
Decorria o ano de 1967 e Portugal era um país fechado sobre si próprio. Fernando era transmontano, mas apesar do isolamento da terra, já tinha passado dois anos emigrado, um na França e outro na Suíça. Era um homem inconformado, mas tinha-se cansado de ser explorado e, para além disso, tinha saudades da família: a mulher e cinco filhos.
A pequena propriedade, de que era dono, não lhe dava o rendimento de que necessitava para dar uma educação esmerada aos filhos. Ele apenas tinha a quarta classe de adultos, mas queria que os filhos concluíssem o secundário, talvez algum deles pudesse mesmo tirar um curso superior. Apesar da pouca instrução era um curioso: lia tudo o que lhe aparecia à frente, jornais ou livros cuja informação acumulava na sua prodigiosa memória. Fazia cinco anos que a guerra em Angola tinha começado. Ele acompanhava tudo através das notícias mas estas eram muito filtradas e, como tal, ele não imaginava que estava longe de conhecer a verdade. O cunhado, homem com alguns contatos, fez-lhe chegar um pequeno livro onde se narrava a história da revolta da UPA, em 1961 e da primeira incursão dos militares portugueses, na província do Bengo e Uíge, para resgatar os poucos habitantes brancos que tinham sobrevivido à chacina. Devorou com paixão a narrativa sobre incursão do alferes Robles, um jovem ingénuo e inocente, a quem tinham obrigado a trocar a caneta por uma espingarda. Levava na bagagem a revolta que a interrupção dos estudos lhe causara, juntamente com um juízo de valor sobre os movimentos de libertação e sobre os colonos, pré-concebido. Os factos falaram mais alto e bastou uma passagem pelas fazendas desertas e pejadas de cadáveres, para lhe mudar o sentimento: foi a viagem dos horrores! O alferes que regressou era diferente daquele que tinha partido. A história do alferes Robles deixou-o revoltado. Nada do que fosse branco tinha escapado à morte: homens, mulheres, jovens, crianças ou mesmo porcos, galinhas e cabras.
O governo necessitava de voluntários para integrar os quadros da Guarda Rural. Era uma força policial, com comando militar, que dava proteção à população local e aos trabalhadores das fazendas de café garantido o funcionamento normal da economia. Ele não era um revolucionário, mas nem sempre estivera de acordo com o governo. Por várias vezes tinha apresentado reclamações sobre decisões políticas, nomeadamente referentes a impostos agrícolas. Uma das vezes escreveu mesmo uma carta a Salazar, que nunca teve resposta. Como nunca sofreu quaisquer consequências pela sua rebeldia ninguém o convencia de que vivia numa ditadura. Tinha consciência de que a liberdade era limitada e de que existiam coisas que não podiam ser feitas mas, apesar disso,  não aceitava classificar o regime como ditadura.
Sentado num banco sem costas, encostado ao gradeamento feito de tijolo, que protegia o patamar superior das escadas,  refletia sobre  o texto que tinha lido. As notícias dos jornais nunca tinham reportado incidentes com um nível de gravidade como as relatadas naquele livro. Onde estaria verdade? Tinha de ir descansar que o dia seguinte começava cedo.
Era Julho e as culturas necessitavam de atenção. O milho ostentava orgulhosamente as espigas em crescimento e desmelenadas, deixando-se enlear pelos pés de feijão que buscavam um lugar ao sol. As batatas curvavam o caule num sinal de rendição: era tempo de as retirar da terra. O granulado dos cachos das uvas enfeitavam as videiras, quais brincos nas orelhas de uma mulher formosa, prometendo colheira farta. As árvores de fruto, macieiras, pereiras ou ameixoeiras, libertavam-se do excesso da carga, com a ajuda do vento e indicavam aos agricultores quantos cestos iriam precisar para colher o seu fruto. Para um leigo eram apenas árvores ou plantas, para ele era um livro aberto.
Levantou-se cedo mas o corpo pesava-lhe mais que o habitual. Tinha dormido mal. Os sonhos, melhor dizendo os pesadelos, povoaram-lhe o sono e, embora dormisse, não descansou. Era África a chamar por ele! Ainda o sol não tinha nascido e já ele lançava sobre as videiras o enxofre, coisa que tem de ser feita aproveitando a hora calma da manhã, pois qualquer aragem joga-o para o chão, impedindo-o de se depositar nos cachos. De chapéu de palha na cabeça, óculos tipo mergulhador e rosto coberto, parecia um assaltante: protegia-se do malfadado pó, que apesar da calmaria, teimava em esvoaçar. Quando terminou era hora do almoço. Sim no campo o almoço é pelas nove horas. Até ao meio dia, hora a que iria jantar, fez as tarefas mais pesadas. Guardou as leves para a tarde, período em que o calor aperta. A sesta, a seguir ao almoço, permitiu-lhe retemperar as forças e depois das quatro voltou ao trabalho.
A agitação da mente contrastava com a calma campestre onde apenas as cigarras entoavam o canto do verão. Até a passarada se havia recolhido, protegendo-se do calor. A ansiedade que tomava conta dele estava a deixá-lo desconcentrado. «Tenho que resolver isto, senão não vou ter paz» Pensou. Não queria tomar uma decisão precipitada e, não tendo pai, decidiu falar com o homem com quem partilhava este tipo de assuntos: o vizinho. Ezequiel era um homem sábio. Daqueles homens que parecem iluminados. Sabia ler a natureza e as pessoas de uma forma extraordinária, mas singela. Dividia o seu tempo entre o trabalho e a leitura. Para ele não existiam feriados nem dias santo, embora não faltasse à missa de domingo. Ao fim do dia foi ao encontro do amigo.
Fernando partilhou com o amigo aquilo que lhe ia na alma. As notícias, os factos de que tinha tomado conhecimento e a inquietude que os mesmos lhe tinham causado.
«Todos temos a obrigação de tomar uma posição e de defender a pátria onde ela é atacada. Não acha ti Ezequiel?»
O amigo olhou para ele com expressão grave e disse, num tom de quem repreende um filho.
«Olha Fernando, isso são tudo tretas. Tu tens obrigação de sustentar a tua família e dar uma boa educação aos teus filhos. Deixa a pátria em paz. O que se passa contigo é que sempre foste irrequieto e desejas-te algo diferente para ti. Sempre que surge a oportunidade de abalares questionas aquilo que fazes.»
Fernando ouviu em silêncio. Quis protestar mas no fundo ele sabia que o que estava a ouvir era a mais pura das verdades.
«Se queres ir para Angola porque achas que isso pode ser melhor para ti e para a tua família, então vai. Um homem deve sempre procurar melhorar a sua condição. Se isso implica mudar de hemisfério, pois que assim seja.»
A conversa prolongou-se por várias horas. Eram ambos conversadores e tinham sempre tema de conversa: a política. Para além de ler os jornais de forma ávida, ouviam, quando podiam, a BBC, de forma clandestina, naturalmente. Temas como a criação da UNITA, a entrevista de Salazar ao New York Times, o bloqueio do porto da Beira, a classificação de Portugal no mundial, onde Eusébio foi considerado o melhor jogador do mundo, a construção da ponte para atravessar o tejo, eram temas abordados. No entanto, era a política internacional que lhes fazia brilhar os olhos, O comportamento da Rússia ou a grande revolução na China, como evidências de uma tentativa de domínio do comunismo sobre o mundo, eram escalpelizados por eles vezes sem conta. Quando se foi embora Fernando já tinha tomado uma decisão.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s