A SEMENTEIRA

A SEMENTEIRA
O mês de Abril tinha sido pouco profícuo em chuva e a terra ameaçava perder a sessão. Faustino organizou a sementeira à pressa, tendo de contar com a participação da família toda, pois o pessoal a rogo seria curto. Felizmente tinha conseguido contratar o Manuel Jorge para ficar com uma das bordas e ele, com a ajuda do filho mais velho, ficaria com a outra. Três dias antes, recebeu a notícia: o Manuel Jorge não podia ir, tinha-se aleijado. A solução para o problema veio sob a forma de um desafio. Serafim, o filho do compadre, ficaria com a borda aberta se o Mateus, o seu sobrinho, ficasse com a outra. Serafim viria a rogo, o que era interessante, mas colocava um peso sobre as costas do sobrinho, para o qual ele não estava preparado. Serafim trabalhava no campo todos os dias enquanto o sobrinho era estudante e apenas ia ao campo nas horas vagas.
«O tio pode dizer ao Serafim que eu aceito o desafio.»
Mateus estava consciente das dificuldades que iria enfrentar e sabia que o mais provável era o seu desempenho atrasar o andamento da lavrada, mas estava disposto a correr o risco. Antes de tomar a decisão foi dar uma vista de olhos ao terreno. A sementeira começaria às sete da manhã, por isso ele teria que atuar na véspera, mas apenas depois do cair da noite. Quando falou com o pai sobre a estratégia a adotar, ele achou a ideia brilhante: também queria ver o Serafim levar uma lição.
A notícia do desfio caiu como um relâmpago. Na aldeia faziam-se comentários e até algumas apostas. A situação era tão desigual que os poucos que apostaram, estavam do lado do Serafim. O que mais ninguém sabia era que Serafim tinha conseguido convencer a Amélia a oferecer um ramo a quem vencesse a competição. A lavrada feita com arado, atrelado aos bovinos, não é feita em toda a extensão do terreno. Nas bordas, sobretudo quando muradas, fica por lavrar, o comprimento das vacas e do arado e o mesmo tem de ser cavado pelos homens. Neste caso o Mateus ficaria do lado murado e o Serafim do lado aberto, isso significaria que o espaço a cavar por Mateus seria o dobro.
O carreiro chegou mais cedo. Trazia o arado em cima do carro de bois, a vara às costas e um assobio nos lábios. A descontração com que chegou não deixava adivinhar a rapidez com que desemparelhou o carro e aparelhou o arado. As vacas tinham sido jungidas, usando um cambão colorido, que assentava sobre as moleias enfeitadas. Estas, colocadas sobre a cabeça dos animais, pareciam um penteado com franjinhas. As campainhas, penduradas ao pescoço emitiam um som que indicava a proximidade e o ritmo dos animais. Isso era providencial para a coordenação do trabalho de aplanar a terra, revolvida pelas aivecas, feito pelos trabalhadores dispersos ao longo do rego. As pessoas chegaram todas no espaço de cinco minutos e distribuíram-se ao longo do campo, intercalando, quando possível, os homens e as mulheres. Nessa altura, Serafim percebeu que era olhado com censura por todos. O desafio tinha sido desigual. O seu rival não estava habituado a trabalhar no campo e teria muito mais terreno para cavar. Mateus chegou em último e sorriu ao ver o olhar de pena com que foi recebido. Para ele, perder ou ganhar, não tinha o mesmo significado que para os restantes, para além disso, tinha uma carta na manga. Serafim estava radiante. Iria receber publicamente um ramo da Amélia, uma tradição quase em desuso e que lhe daria o direito de o usar na lapela, no domingo, na missa e no bailarico. Amélia iria dançar com ele e quem sabe se não podia ser o início de um grande amor. Ele amava-a e pretendia conquistá-la, mas talvez tivesse sido prudente fazer as coisas de outra forma.
A arada do terreno começou e, depois de abertos meia dúzia de regos, começou a perceber-se que Serafim poderia estar em maus lençóis. A terra estava muito seca, à superfície, mas com alguma sessão por baixo. O bico do arado penetrava-a e deslizava rapidamente, dando pouco tempo aos homens das bordas para cavar o terreno. Ao invés, as enxadas debatiam-se para conseguir a primeira cavadela. O estranho é que isso só acontecia do lado do Serafim. Mateus enterrava a enxada na terra, como se esta fosse manteiga. Era um fenómeno sem explicação! Talvez fosse mais correto dizer que era um fenómeno cuja explicação apenas Mateus e o pai conheciam. Na véspera, eles tinham passado duas horas a fazer furos na terra e a regá-la. Apesar disso, Mateus tinha que se esforçar para manter o ritmo, mas o arado nunca parou por sua causa. Ao início, Serafim ainda acompanhou o arado, mas no fim os braços e as costas estavam tão doridos e cansados, que ele ficou para trás. Mateus avançou com a sua borda, dando a volta pela frente dos restantes, enquanto o arado parou para permitir que o Serafim completasse o seu lado. Estava terminada a arada.
A chegada do homem da concertina, acompanhado das três meninas, apanhou quase toda a gente desprevenida. Serafim cabisbaixo cerrava os punhos para não derramar as lágrimas de raiva, que lhe afloravam os olhos. Tinha sido imprudente. Tinha acabado de perder a oportunidade de dançar com a Amélia, mas, pior do que isso, era tê-la empurrado para os braços do Mateus. Amélia era uma moça bonita, mas simples. Não tinha estudado e como tal todos lhe diziam que se devia contentar em casar-se com um homem do campo. Alguém como o Serafim que era um excelente trabalhador e bom rapaz. Apesar disso, ela ambicionava mais. A sua paixão por Mateus tinha sido guardada religiosamente. Apenas Serafim a conhecia e isso depois de ter insistido numa relação entre os dois. Ela não queria enganá-lo: podia namorar com ele, mas era de outro que gostava. A concertina significava que tinha sido encomendado um ramo. Quem seria o destinatário? O homem da concertina anunciou a atribuição do ramo ao vencedor do desafio. Nesse momento todos perceberam a intenção do Serafim. A intenção era boa, mas a forma de a concretizar tinha deixado muito a desejar. Serafim tornou-se vítima do seu próprio estratagema.
Mateus não usou o ramo na lapela no domingo seguinte. A aldeia inteira interrogou-se sobre o significado de tal gesto. As opiniões dividiam-se, mas a maioria dizia que ele não tinha interesse na Amélia. Quando a missa terminou, Mateus fez questão de se colocar ao lado de Amélia e de a acompanhar durante o trajeto comum. Isso deixou os mais bisbilhoteiros baralhados. Foi nessa altura que Amélia soube que Mateus não tinha usado o ramo para não humilhar mais o Serafim. A espectativa para ao baile da tarde estava nos píncaros!
Mateus apareceu às quatro da tarde de ramo na mão. A notícia propagou-se como um rastilho. Dançaram um par de músicas e, quando pararam, conversaram animadamente. A aproximação de Serafim apanhou todos de surpresa. Tinha sido a irmã mais nova de Mateus que o tinha ido chamar.
«Teria sido mais simples se tivesses falado comigo. Pelo menos terias evitado a humilhação.» Disse Mateus
Em seguida, entregou o ramo a Amélia e afastou-se, deixando Serafim de olhos arregalados, mas profundamente envergonhado.
«O Mateus tem um bom coração, mas apesar de eu gostar dele está fora do meu alcance. Se estás disposto a fazer com que eu te ame eu aceito o teu pedido de namoro.» Disse Amélia.
Serafim sentia os olhares dos presentes queimarem-lhe as costas. Só lhe apetecia desaparecer: nunca tinha passado por tal humilhação. Mas a culpa era exclusivamente dele. Para além disso, amava demais Amélia para lhe virar as costas. Acenou com a cabeça e aceitou o ramo que ela lhe oferecia. O gesto de Mateus andou de boca em boca e os elogios não foram regateados. Apesar disso, não faltou quem dissesse que ele se julgava superior aos outros, por rejeitar Amélia. O novo par rasgou o recinto com os seus paços de dança. Serafim estava feliz a Amélia fazia questão de o ser. O amor faz milagres…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s