TAKE 3 AMOR ATREVIDO


Ana,

A tua carta chegou às minhas mãos depois de ter percorrido meio mundo. Tinha acabado de sair de Portugal quando chegou à minha casa, tendo sido sucessivamente reencaminhada para os escritórios de Berlim e Nova Iorque, até chegar a mim, ontem, em Kuala Lumpur. As minhas mãos tremiam quando a abri e o meu coração saltava dentro do peito. O entusiasmo e o nervosismo digladiavam-se. Li-a de uma assentada e tive que voltar a lê-la, para ter a certeza do que estava escrito. Desde a noite do incêndio que te procuro sem sucesso. Já desesperava quando encontrei a tua amiga e a promessa adiada, que ela me transmitiu, deixou-me convencido de que não querias voltar a ver-me. Nessa altura o meu mundo terminou. Mais do que nunca dediquei-me a trabalho, dessa forma tinha menos tempo para pensar em ti e no facto de que não tinhas querido ver-me. Os meus olhos estavam tristes e secos, mas o meu coração chorava todos os segundos do dia. Saber que me amavas e que a promessa de me ver não tinha sido uma forma delicada de em afastar, deixou-me num estado de euforia impossível de descrever.
A minha vontade era partir de imediato para Portugal e ir ao teu encontro, mas apenas estarei de volta dentro de três semanas. Imagino que neste momento te interrogues sobre o meu silêncio, mas este deve-se exclusivamente ao facto da carta ter demorado dez dias a apanhar-me. Li a tua carta ontem e desde essa altura que vivo num permanente delírio. Sonho com o momento em que os nossos lábios se unirão para celebrar o reencontro tão desejado. A sensação de um beijo toma conta de mim. Fecho os olhos e consigo sentir o toque dos lábios entreabertos e a dança guerreira das nossas línguas, até que exaustas se entregam uma à outra, numa dança vienense. Os corpos colam-se um ao outro estremecendo de prazer. As mãos exploram os corpos e estes contorcem-se em espasmos de prazer agridoce, ansiando por um contacto mais intimo e por uma entrega onde se possam fundir num só.
Abro os olhos e desperto para uma realidade mais dura. Separam-nos vinte dias de espera. Uma espera que se anuncia dolorosa, pois cada momento longe de ti dói. Uma dor apenas suportável pelo facto de saber que os teus braços me esperam, para se fecharem à volta do meu peito, numa fusão harmoniosa. A minha imaginação não para! Vejo-nos numa praia paradisíaca, caminhando pela praia de mãos dadas. A água refresca-nos os pés e o sol queima-nos os ombros. Os corpos bronzeados e tonificados pelo exercício, anseiam um pelo outro. As nossas mãos são o portal através do qual a energia flui entre os nossos corpos. Cada toque, cada carícia, cada aperto da mão, são uma mensagem que os corpos descodificam sem necessidade de palavras. A paixão está definitivamente no ar, mas sobretudo está embutida em cada célula do nosso corpo, fazendo-o vibrar como só ela sabe fazer.
O cenário muda mas a paixão é a mesma. Vejo-nos a passear, numa tarde outonal, junto ao rio Tejo, em Lisboa. Ligados por um abraço abençoado pelo sol outonal e unidos por um sentimento que nos transforma numa ilha. Uma ilha banhada por um mar de amor. Um amor que nos aquece e nos projeta para a eternidade.
Seja qual for o local ou a circunstância, o amor rodeia-nos, a paixão invade-nos e o desejo consome-nos e eu condenado a esperar pelo meu regresso para te ter novamente nos braços.
Eternamente teu
Pedro

One thought on “TAKE 3 AMOR ATREVIDO

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s