A JORNALISTA | PARTE VI | CAPÍTULO 8

A JORNALISTA | PARTE VI | CAPÍTULO 8 – Jair


As provas eram claras: Jair tinha feito entrar em Portugal dinheiro cuja origem não conseguia justificar. O crime não era suficientemente grave para o manter preso por muito tempo, mas, dava tempo às autoridades Brasileiras para o acusar de crimes bastante mais graves e solicitar a sua extradição. As autoridades portuguesas apenas necessitavam de o manter preso o tempo suficiente para as brasileiras instruírem o respetivo processo. Os advogados de Jair tentaram tudo para evitar a prisão preventiva, mas os esforços foram inglórios.

Entretanto, aconteceu um milagre. As autoridades Brasileiras emitiram um mandato de prisão internacional, em três dias.

«Alguém com muito peso no Brasil está interessado na prisão de Jair para a justiça ser tão eficiente.» Comentou Mónica.

«Isso não nos diz respeito. O mandato vai ser apreciado e se os tribunais decidirem aceitá-lo ele será deportado. Com alguma sorte, muito em breve ele deixará de ser responsabilidade nossa.» Disse o chefe dela.

Tinha decorrido uma semana desde a prisão de Jair e na imprensa não se falava de outra coisa. Existiam versões para todos os gostos. Exista até quem o responsabilizasse por todas as mortes associadas ao caso do palacete, embora a polícia não possuísse uma única prova de tal facto. Os tribunais portugueses aceitaram deportar Jair para o Brasil o que deveria acontecer dentro de dois dias.

Durante o período em que esteve preso Jair ficou na cadeia de Monsanto. Apesar das acusações que pendiam sobre ele, no Brasil, tinha um tratamento diferenciado. Era, no entanto, um preso ao qual estava associado um nível de risco elevado, por isso os responsáveis da cadeia receberam com alívio a notícia da sua partida. A equipa que o iria acompanhar até ao Brasil e proceder à sua entrega, chegou cedo à prisão. Estava tudo a postos para a partida. Saíram das instalações às onze horas e encaminharam-se para a segunda circular. Os batedores abriam caminho com as suas sirenes, logo seguidos de um carro da polícia. A carrinha prisional levava quatro guardas: dois à frente e dois junto do preso. O segundo carro da polícia encerrava o cortejo. Os agentes que o acompanhariam ao Brasil seguiam atrás deles num carro não identificado.

As carrinhas surgiram do nada, chocando contra os carros da polícia tendo esta força sido colocada fora de serviço. Os homens que seguiam na carrinha prisional ficaram presos entre os dois carros da polícia, sem capacidade de sair da ratoeira. Os assaltantes eram quatro e apresentavam-se de cara tapada: dois homens e duas mulheres. Possuíam armas automáticas e tinham a carrinha na sua mira.

«Não queremos magoar ninguém desnecessariamente. Saiam para fora e entreguem-nos o prisioneiro.»

A ordem foi dada por uma mulher com sotaque eslavo. Aparentemente era a chefe do grupo. Apesar de estarem sob a mira das armas ninguém saiu da carrinha. A mulher voltou a repetir a ordem e, para sinalizar a firmeza da mesma, disparou para o ar. O som do disparo, apesar de abafado pelo silenciador, foi perfeitamente audível. Mesmo assim, ninguém se mexeu. A mulher olhou para os restantes elementos do grupo e fez sinal com a cabeça. De imediato a carrinha foi atingida por uma série de disparos, colocados de forma a não atingir ninguém. Para sua surpresa os disparos não tiveram o efeito desejado: a carrinha era blindada. Os homens lá dentro encolheram-se, mas quando perceberam que as balas não passavam relaxaram. Não iam conseguir libertar os presos.

Os dois agentes de ligação vinham um pouco atrás e foram alertados do que se passava, ainda antes de fazer a última curva. Pararam o carro e avançaram a corta mato, escondidos pela vegetação que naquele local era baixa e densa. Aproximaram-se, cautelosamente, informando os guardas da carrinha da sua intenção. Estes apenas tinham que ter um pouco de paciência e aguentar o forte até eles chegarem. Como os assaltantes estavam colocados, dois de cada lado da carrinha, eles avançaram cada um por seu lado. Quando tinham os assaltantes debaixo da mira, dispararam sem qualquer aviso prévio. Atingidos nos ombros os assaltantes perderam momentaneamente a capacidade de manobrarem as armas. A situação foi aproveitada pelos guardas da carrinha prisional, que vieram em auxílio dos agentes de ligação. Em questão de segundos os assaltantes foram imobilizados e presos. Enquanto esperavam pelas novas viaturas da polícia, montaram um perímetro de segurança, mantendo-se em alerta máximo.

A deportação tinha sido a sua sentença de morte. Já não tinha nada a perder, por isso tinha preparado aquela arriscada tentativa de fuga. Dentro da carrinha Jair estava completamente desesperado. Aquela era a última oportunidade que ele tinha de escapar em solo português. Tinha que marcar uma posição logo que chegasse ao Brasil. Era importante que os seus adversários soubessem que ele tinha documentos que os podiam prejudicar, mas isso tinha que ser feito com muita cautela, para não funcionar como um convite ao seu assassinato.

A última fila do avião estava reservada para eles. Jair foi colocado junto à janela permanecendo algemado. Não era obrigatório que assim fosse, mas os agentes, depois daquilo que se tinha passado no caminho para o aeroporto não estavam dispostos a correr riscos. Apesar da apreensão dos agentes e da tripulação do avião, a viagem decorreu sem qualquer incidente. Quando o avião aterrou e no caminho para a manga, parou para se proceder ao desembarque do prisioneiro. Os agentes de segurança saíram com ele e entraram numa carrinha da polícia brasileira, que os levou até um terminal especial, no aeroporto, onde os três deram entrada no país. Depois de cumpridas todas as formalidades, os agentes ficaram livres para ir recolher as malas e Jair desapareceu atrás de uma porta, acompanhado pelos seus novos carcereiros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s